Governo estuda privatizar rodovias estaduais a partir de 2018

Uma das ideias é leiloar rodovias estaduais e federais juntas, em um mesmo pacote

Por Redação Oeste Mais

28/09/2017 10h30 - Atualizado em 17/04/2020 14h39



Com privatização, pedágio será cobrado em rodovias estaduais (Foto: Arquivo/Oeste Mais)

Dos três estados do Sul, Santa Catarina é o único que não possui pedágios nas rodovias estaduais, ao contrário dos vizinhos paranaenses e gaúchos, que optaram há mais de 20 anos por entregar suas estradas à iniciativa privada. Mas o cenário deve mudar. O motivo é a persistente crise fiscal e econômica, tornando cada vez mais difícil conseguir recursos para a manutenção da infraestrutura viária.

 

Diante do quadro, o governo estadual resolveu modificar a estratégia. A aposta agora é justamente em conceder algumas SCs. A iniciativa é capitaneada pela Secretaria de Estado do Planejamento, sob o comando de Murilo Flores, ao lado do governo federal. Em um primeiro momento, a opção é por algo inédito no país: leiloar rodovias federais e estaduais juntas, em um mesmo pacote.

 

O primeiro deles, cuja concessão deve ocorrer entre 2018 e 2019, terá a BR-470 e a rodovia Jorge Lacerda (SC-412), no Vale do Itajaí. Em seguida, o cronograma prevê a entrega ao setor privado da BR-280, ao lado da Rodovia do Arroz (SC-108) e da Serra Dona Francisca (SC-418), no Norte Catarinense.

 

Outra rodovia que está no radar das concessões é a SC-283, no Oeste, mas ainda não há prazo, pois ela deve entrar no mesmo pacote da BR-282, ainda em fase de estudos.

 

Ao defender esse sistema, o secretário admite a incapacidade do estado em manter suas estradas em boas condições. “A gestão das rodovias é muito difícil de ser executada pelo estado. A concessão é uma medida correta. Consideramos justo que a manutenção seja paga por quem usa o trecho. É um conceito consolidado no mundo”, diz Murilo Flores.

 

Em paralelo, o governo do estado também trabalha com outra linha de concessões sem a parceria do governo federal. No caso, seria feito um sistema de polos. Em determinada região do estado ocorreria o leilão conjunto de várias rodovias, mas apenas algumas delas conteriam pedágio, com um adicional para a manutenção das demais. O modelo ainda está sendo analisado e deve ter sequência.

Com informações do DC


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.