Operação Corpus Christi registra queda de 53% no número de mortes em SC

Trabalho realizado pela PRF se estendeu ao longo de cinco dias

Por Redação Oeste Mais

19/06/2017 09h24 - Atualizado em 17/04/2020 14h39



A Polícia Rodoviária Federal (PRF) encerrou à meia-noite deste domingo, dia 18, a Operação Corpus Christi 2017. Durante os cinco dias de atividades, a fiscalização procurou se posicionar nos pontos e horários mais críticos das rodovias, com maior probabilidade estatística de ocorrências graves.

 

A estratégia, aliada à maior conscientização dos motoristas, resultou em redução nos índices de acidentes e mortes em comparação à Operação Corpus Christi dos anos anteriores.

 

Nesta edição foram registrados 143 acidentes, com 150 pessoas feridas e sete mortes. Em comparação a 2016, houve redução de 19% no número de acidentes e queda de 53% no número de óbitos no local.

 

Dos seis acidentes fatais, dois ocorreram na Via Expressa (BR-282), dois na BR-280, um na BR-101 e outro na BR-470. Quatro vítimas morreram em decorrência de colisões frontais e outras duas em atropelamentos.

Ao todo, 6.833 veículos foram abordados durante a Operação Corpus Christi (Foto: PRF)

Números de operações anteriores

 

2015

Acidentes: 253

Feridos: 146

Mortes: 8

 

2016

Acidentes: 178

Feridos: 136

Mortes: 13

 

2017

Acidentes: 143

Feridos: 150

Mortes: 6

 

Outros números

 

O trabalho de fiscalização da PRF também teve 6.833 veículos abordados, com a confecção de 2.848 autos de infração. Destes, 120 foram para motoristas que estavam dirigindo sob efeito de álcool. Os radares fotográficos ainda registraram 4.960 imagens de veículos acima da velocidade permitida. Um deles passou a 175 km/h na BR-282, em Bom Retiro (SC), local onde a velocidade máxima é de 80 km/h. Ainda durante a Operação, o combate ao crime apreendeu sete mil comprimidos de ecstasy em Palhoça, recuperou cinco veículos roubados e deteve 33 pessoas por crimes diversos.

prf

COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.