Mortes crescem 11,7% nas rodovias federais que cruzam Santa Catarina

Mais de 300 pessoas perderam a vida em acidentes nas BRs catarinenses entre janeiro e agosto, aponta PRF

Por Redação Oeste Mais

08/09/2016 13h15 - Atualizado em 17/04/2020 14h39



Aumento contrasta com queda de 37,5% de mortes nas rodovias estaduais no mesmo período (Foto: Marco Favero/Agência RBS)

O número de mortes em acidentes de trânsito nas rodovias federais que cruzam Santa Catarina cresceu 11,7% nos primeiros oito meses deste ano na comparação com o mesmo período de 2015. Em números absolutos, isso representa 33 mortes a mais em 2016 do que no ano passado. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, 315 pessoas perderam a vida em acidentes nas BRs catarinenses entre 1º de janeiro e 20 de agosto deste ano, enquanto o número de mortes nesse mesmo intervalo de tempo em 2015 foi de 282.

 

O crescimento do número de vítimas nas estradas administradas pela União contrasta com uma queda expressiva nas rodovias estaduais. Entre janeiro e agosto deste ano, morreram 135 pessoas nas SCs contra 216 em 2015, o que representa uma diminuição de 37,5%. Se a estatística somar os números das estradas federais com os das estaduais, também há uma diminuição na quantidade de vítimas: 498 em 2015 contra 450 em 2016.

 

Nos últimos anos, a tendência era de queda nas mortes em acidentes de trânsito nas BRs. A situação, no entanto, não se manteve nos primeiros dois terços do ano em Santa Catarina.

 

Para o inspetor da Polícia Rodoviária Federal no Estado Adriano Fiamoncini, o aumento se explica pelo alto número, nos últimos tempos, de acidentes com muitas vítimas dentro de um mesmo veículo, em especial nos meses de março e abril. Um desses casos ocorreu no fim de abril, quando seis pessoas da mesma família morreram em uma colisão na BR-153, em Água Doce, no Oeste. “Quando há muitas ocorrências deste tipo, elas jogam a estatística para cima” diz Fiamoncini.

 

O inspetor afirma que ainda não é possível ter certeza de que 2016 terminará com mais mortes nas estradas federais do que o ano anterior. Segundo ele, o fim do ano costuma ser um período de muitos acidentes devido ao aumento no tráfego em função das festividades do período, o que pode elevar ainda mais a estatística.

 

Para o coronel Fábio Martins, do Comando de Policiamento Rodoviário, responsável pelas estradas estaduais, a queda de 37,5% nas mortes nas SCs neste ano foi causada por um aumento na fiscalização, especialmente sobre o excesso de velocidade. “Nós intensificamos muito a Operação Radar. Por meio do nosso setor de planejamento, identificamos pontos críticos e vimos que o excesso de velocidade era um dos principais causadores de acidentes. Vem dando resultado”, afirma Martins.

 

Dentro da Polícia Militar Rodoviária, a expectativa é de que 2016 termine com o menor número de mortes em rodovias dos últimos dez anos. Caso a média se mantenha até o fim do ano, é possível que haja menos de 200 vítimas nas estradas estaduais, bem abaixo dos 276 óbitos registrados em 2007, quando houve a menor quantidade de mortes nas estradas estaduais na estatística da PMRv. O ano com a maior quantidade de mortes foi 2012: 414.

 

Santa Catarina ocupa a quarta colocação no ranking dos estados com mais mortes em estradas federais. Segundo dados da PRF de 2015, compilados em uma pesquisa nacional, SC só ficou atrás de Minas Gerais (961), Bahia (641) e Paraná (584). No ano passado, foram 455 óbitos em BRs catarinenses. A diferença é que, proporcionalmente ao tamanho da malha viária, SC possui uma taxa maior de mortes para cada mil quilômetros: 122. Nesse quesito, ficou atrás apenas de estados com malha viária menor como Rio de Janeiro (152), Sergipe (152), Pernambuco (139) e Alagoas (123).

Com informações do DC


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.