Quatro municípios do Oeste decretam situação de emergência devido à estiagem

Palma Sola, São João do Oeste, Planalto Alegre e Santa Terezinha do Progresso publicaram decretos

17/09/2019 12:51 - Atualizado em 17/09/2019 12:51



Quatro municípios do Oeste decretaram situação de emergência devido aos problemas causados pela estiagem. As cidades são Palma Sola, São João do Oeste, Planalto Alegre e Santa Terezinha do Progresso.

 

Em Palma Sola, cerca de 100 famílias estão recebendo auxílio da prefeitura para o abastecimento de água. Além disso, há queda de 20% na produção de leite, além de atraso no plantio de fumo e milho.

 

Açudes e rios do município estão secando. Um dos objetivos do decreto é permitir que os agricultores atingidos possam acessar o seguro agrícola.

Prefeitura de São João do Oeste está levando água para estação de tratamento

Em São João do Oeste, desde o dia 23 de agosto a prefeitura está fazendo o transporte de água até a estação de tratamento localizada em Beato Roque.

 

No decreto, o prefeito Fernando Bisigo proibiu o uso de água tratada para regar grama, irrigar hortas e lavar carros e calçadas. Há três meses e meio, chove abaixo da média na região.

 

Em Planalto Alegre, o decreto da prefeitura afirma: "as proporções baixas da chuva não têm sido suficientes para promover a recarga de seus mananciais e com isso vem comprometendo o armazenamento da água potável, causando sérios problemas e dificuldades no abastecimento para o consumo humano, bem como para suprir a necessidade da população da produção agropastoril, industrial e comercial".

 

Em Santa Terezinha do Progresso, a prefeitura publicou um pedido aos moradores nas redes sociais: "Comunicamos aos moradores que o município de Santa Terezinha do Progresso, está com problemas de falta de água devido a estiagem. Sem chuvas significativas a alguns dias, o serviço de captação de água, reduziu o volume de captação no Rio Cafundó, que é fonte de captação para a cidade. Os serviços municipais vem adotando medidas emergenciais para esse período. Essas ações, no entanto, têm efeito limitado. Por isso, é imprescindível que todos colaborem, adotando hábitos de uso racional da água. A orientação é para que se dê prioridade para alimentação e higiene pessoal. As limpezas mais pesadas, lavagem de carros, calçadas e fachadas devem ser postergadas até que a situação se normalize. Reaproveitar a água do tanque e da máquina de lavar roupas pode contribuir muito com o consumo consciente. O reuso dessas águas pode ser aplicado na limpeza, no vaso sanitário e na rega de hortas e jardins".

Do Diário Catarinense


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.