Sobe para 135 o número de municípios afetados por ciclone em SC, que declara calamidade pública

Fortes ventos provocaram a morte de nove pessoas e duas seguem desaparecidas

Por Oeste Mais

02/07/2020 11h35 - Atualizado em 02/07/2020 11h35



Ventos causaram estrados em pelo menos 135 cidades de SC (Foto: Divulgação)

Subiu para 135 o número de municípios que reportaram estragos por conta da passagem de um ciclone extratropical em Santa Catarina. A informação está no mais recente boletim divulgado pela Defesa Civil, por volta das 8 horas desta quinta-feira, dia 2.

 

O governo decidiu decretar estado de calamidade pública, segundo informou o secretário da Defesa Civil de Santa Catarina, João Batista Cordeiro Junior, também na manhã desta quinta. O decreto ainda não foi publicado no Diário Oficial do Estado.

 

Os fortes ventos provocaram a morte de nove pessoas e duas seguem desaparecidas, em Tijucas e Brusque. A Defesa Civil contabiliza ainda seis pessoas feridas.

Prejuízos em escolas seguem em levantamento (Foto: Divulgação)

O número de residências atingidas pelo vendaval segue em atualização. De acordo com o levantamento, foram ao menos 2,2 mil unidades habitacionais danificadas no estado. Pelo menos 83 rolos de lona já foram distribuídos.

 

Segundo o boletim da Defesa Civil, cerca de 275 mil unidades consumidoras permaneciam sem energia na manhã desta quinta-feira. O número chegou a 1,5 milhão na terça-feira, dia 30. Equipes da Celesc seguem nas ruas para restabelecer o fornecimento.

 

Levantamento de estragos em escolas

 

Técnicos da Secretaria de Estado da Educação (SED) realizam desde a quarta-feira um levantamento em todas as regiões para catalogar os danos causados pelo ciclone nas escolas da rede estadual de ensino.

 

O trabalho deve ser concluído ainda nesta semana. Em seguida, será elaborado um plano de ação para recuperar os danos à infraestrutura das unidades.

 

As principais ocorrências são de danos à rede elétrica, destelhamentos de salas de aula e ginásios, queda de forros, alagamentos, queda de árvores sobre parte dos imóveis e prejuízos com o mobiliário escolar.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.