Prefeito de Passos Maia comemora lançamento de satélite brasileiro para inclusão digital

Equipamento deverá oferecer cobertura de Internet banda larga a 100% do território nacional

Por Jhonatan Coppini

20/03/2017 16:48 - Atualizado em 31/01/2018 23:11



Satélite tem cinco metros de altura, 37 metros de envergadura e pesa 5,8 toneladas (Foto: Divulgação)

A reunião realizada entre prefeitos do Oeste de Santa Catarina, o ministro da Ciência, Tecnologia e Comunicações, Gilberto Kassab, e o governador Raimundo Colombo na última sexta-feira, dia 17, em Chapecó, também foi acompanhada pelo prefeito de Passos Maia, Leomar Listoni, e o vice-prefeito Edemar Michelon.

 

Detalhes sobre o lançamento do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC) –– previsto para ocorrer no final da tarde desta terça-feira, dia 21, no Centro Espacial de Kourou, na Guiana Francesa –– foram apresentados durante o encontro, que serviu para destacar a importância dos investimentos nas áreas da ciência, tecnologia e inovação.

 

Com cinco metros de altura, 37 metros de envergadura e pesando 5,8 toneladas, o SGDC deverá ampliar o acesso à banda larga no Brasil, com sinal em 100% do território nacional, inclusive em áreas remotas. Ele ainda vai garantir a segurança das comunicações militares do país. O primeiro satélite geoestacionário do Brasil é uma parceria entre o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e o Ministério da Defesa.

 

“Nós temos a esperança de que em um futuro próximo vamos poder atender todo o nosso município com internet banda larga”, comemorou o prefeito Leomar Listoni. Segundo ele, mais da metade do território de Passos Maia já conta com sinal de internet distribuído por meio de 11 antenas. “Mas temos muitos morros, que dificultam a distribuição do sinal, e por satélite a situação muda totalmente”, avaliou.

 

O satélite deverá entrar em operação a partir do segundo semestre deste ano. O SGDC ficará posicionado a uma distância de 36 mil quilômetros da Terra, cobrindo todo o território nacional e parte do oceano Atlântico. Ele vai operar nas bandas X e Ka. A primeira é uma faixa de frequência destinada exclusivamente ao uso militar, correspondendo a 30% da capacidade total do satélite. Já a banda Ka, que representa 70%, será usada para ampliar a oferta de banda larga pela Telebras.

 

Com investimentos na ordem de R$ 2,1 bilhões, o SGDC será operado por dois centros de controle, sendo um em Brasília e outro no Rio de Janeiro. Também há outros cinco gateways –– estações terrestres com equipamentos que fazem o tráfego de dados do satélite –– que serão instalados em Brasília, Rio de Janeiro, Florianópolis (SC), Campo Grande (MS) e Salvador (BA).

Prefeito (direita), vice-prefeito (esquerda), ministro e presidente da Câmara de Vereadores (centro) em encontro em Chapecó (Foto: Divulgação)

COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.