Facebook vai criar escala de confiança para classificar usuários

Ideia é aperfeiçoar a identificação de denúncias falsas de conteúdos compartilhados na rede

23/08/2018 08:23


O Facebook anunciou nesta semana que vai começar a classificar a reputação dos seus usuários. A “taxa de confiabilidade” irá funcionar em uma escala de 0 a 1 e vai servir para ajudar no combate às notícias falsas. A classificação, segundo a empresa, visa aperfeiçoar a identificação de conteúdos suspeitos e filtrar perfis maliciosos.

 

Tudo começou quando o Facebook passou a coletar relatórios falsos de usuários sobre conteúdos problemáticos. Em 2015, a empresa lançou uma nova funcionalidade, que permitia que as pessoas marcassem uma postagem como falsa. Apesar do esforço em evitar a disseminação desse tipo de conteúdo, a medida abriu uma brecha para que alguns usuários fizessem denúncias a partir de seus próprios interesses.

 

“Não é incomum que as pessoas nos digam que algo é falso simplesmente porque elas não concordam com a premissa de uma história ou estão tentando intencionalmente alavancar uma determinada página”, disse Tessa Lyons, gerente de produtos do Facebook e responsável por projetos nessa área, em uma entrevista ao jornal The Washington Post.

 

De acordo com ela, a medição também pode servir para avaliar positivamente uma pessoa. Por exemplo: se um conteúdo marcado como falso por determinado perfil for confirmado como uma mentira, o algoritmo vai entender que a opinião daquela pessoa deve ser mais levada em conta.

 

Assim como os programas que identificam as preferências dos usuários para gerar anúncios personalizados, o sistema de classificação de credibilidade também leva em conta uma série de outras ações e características de cada perfil. No entanto, ainda não se sabe exatamente quais são todos eles, e como o Facebook usa todas as informações disponíveis para julgar seus usuários.

Da Superinteressante


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.