Aplicativo desenvolvido em Santa Catarina pode ajudar na caçada por Lázaro

Dispositivo pode ajudar população a pedir ajuda ou alertar polícia sobre presença do criminoso

Por Oeste Mais

22/06/2021 13h47 - Atualizado em 22/06/2021 13h47



Um aplicativo desenvolvido no município de Joinville pode ser usado a partir dos próximos dias na caçada ao serial killer Lázaro Barbosa, que é procurado pela polícia há 14 dias, suspeito de assassinar quatro pessoas de uma mesma família no Distrito Federal, matar um caseiro e sequestrar outras três vítimas para um ritual.

 

O sistema de proteção Brasil+Seguro é um dispositivo gratuito que pode ser acionado pela população em situações de perigo ou emergência por meio de um botão de alerta. A notificação é direcionada para o órgão competente, que pode agir a partir do comunicado.

 

O aplicativo já é usado na Amazônia e Pantanal para o mapeamento de focos de queimadas. Agora, a ideia da empresa é ajudar na caçada ao serial killer em Goiás. Segundo o CEO, Edivaldo da Veiga, caso o aplicativo seja adotado na estratégia das autoridades de segurança, a população poderia ter um canal direto para pedir ajuda ou alertar a polícia.


Veiga explica que o aplicativo poderia ajudar até a reduzir os trotes e o tempo gasto com denúncias falsas pelos mais de 200 policiais que trabalham na caçada. As autoridades têm recebido ligações de pessoas de várias partes do Brasil dizendo que viram Lázaro.

 

O que falta para ser disponibilizado


Edivaldo e equipe já tiveram contato com os secretários de segurança pública do Distrito Federal e de Goiás, além do prefeito de Cocalzinho de Goiás, onde ocorrem as buscas por Lázaro. Falta apenas a autorização oficial da central de comando da força tarefa para a ferramenta gratuita ser colocada à disposição da população e dos órgãos de segurança.

Lázaro está sedo procurado há 14 dias em Goiás (Foto: Divulgação)

Com informações do NSC Total


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.