Propaganda política no Facebook terá rótulo e poderá ser ocultada

Anúncios serão identificados com um selo no Facebook e no Instagram e poderão ser ocultadas pelos usuários

Por Oeste Mais

11/08/2020 08h34 - Atualizado em 11/08/2020 08h34



As propagandas políticas e eleitorais serão identificadas com um selo no Facebook e no Instagram e poderão ser ocultadas pelos usuários a partir desta semana. Em meio a denúncias e investigações sobre o uso das duas redes sociais para disseminar desinformação no Brasil, com influência nas eleições de 2018, o Facebook afirmou que quem quiser fazer um anúncio relacionado a política ou a eleições na plataforma terá de confirmar sua identidade e se tem residência no país, fornecendo o número do Cadastro de Pessoa Física (CPF) ou do Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ).

 

De acordo com informações divulgadas na última terça-feira, dia 4, pelo Facebook, empresa também responsável pelo Instagram, haverá mais “controle e transparência” para anúncios sobre política no Brasil. Os usuários poderão escolher se querem ou não ver propaganda política e eleitoral nas duas redes, e as propagandas relacionadas a esses dois assuntos terão de ter ser identificadas com os selos “pago por” ou “propaganda eleitoral”.

 

O Facebook afirmou ainda que armazenará por sete anos as propagandas política e eleitorais, permitindo a consulta futura sobre dados do anúncio, como uma estimativa de pessoas alcançadas e valor gasto, e dados demográficos, incluindo idade, gênero e localização das pessoas que visualizaram a propaganda.

 

No início do mês, o Facebook empresa derrubou dezenas de páginas nas redes sociais ligadas ao presidente Jair Bolsonaro e a políticos do PSL (Partido Social Liberal). Segundo a plataforma, os perfis eram administrados por assessores pagos com dinheiro público acusados de manipular o debate público na internet, disseminando “fake news”, desinformação e ataques a adversários de Bolsonaro. O esquema escondia a verdadeira identidade dos criadores. As contas tinham cerca de dois milhões de seguidores no Facebook e no Instagram.

 

Com informações do Valor Econômico


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.