Remédio para hipertensão aumenta risco de câncer, alerta Anvisa

Estudos mostraram que o uso prolongado do hidroclorotiazida pode provocar câncer de pele não-melanoma e de lábio

06/12/2018 15:04


A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou nesta terça-feira, dia 4, um alerta sobre o aumento do risco de câncer de pele não-melanoma decorrente do uso cumulativo do hidroclorotiazida, medicação diurética utilizada no tratamento da hipertensão arterial e para controle de edemas.

 

“A descoberta foi realizada por meio de estudos epidemiológicos que demonstraram uma associação dose-dependente cumulativa (que ocorre quando a quantidade utilizada de um determinado medicamento está diretamente relacionada com seus efeitos) entre o medicamento em questão e o câncer de pele não-melanoma”, informou a entidade.

 

Além disso, um dos estudos encontrou uma possível associação entre câncer de lábio e a exposição ao remédio.

 

A explicação para este resultado estaria nas ações fotossensibilizadoras da hidroclorotiazida, que facilitam a absorção da substância pela pele, podendo atuar como um possível mecanismo para a doença.

 

Para classificar como plausível a associação entre o aumento do risco de câncer de pele não-melanoma e o uso em longo prazo de medicamentos contendo hidroclorotiazida, a Anvisa considerou as recomendações do Comitê de Avaliação de Riscos em Farmacovigilância da Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla em inglês).

 

Recomendações

 

Por meio de comunicado, a agência solicitou que os profissionais de saúde informem aos pacientes sobre os riscos, especialmente para aqueles que já fazem uso do hidroclorotiazida em longo prazo.

 

Eles também devem ser orientados a verificar regularmente a pele quanto a novas lesões e a notificar imediatamente o médico sobre qualquer tipo de lesão cutânea suspeita. Outra recomendação é que o tratamento não seja interrompido antes que os pacientes consultem o médico.

 

“Lesões cutâneas suspeitas devem ser prontamente examinadas, incluindo exame histológico de biópsias. Medidas preventivas, tais como limitação da exposição à luz solar e aos raios ultravioleta, podem ser realizadas no intuito de minimizar o risco de câncer de pele.

 

O uso de hidroclorotiazida pode ser revisto em pacientes com histórico de câncer de pele não-melanoma”, recomendou a Anvisa.

 

Outra medida para alertar os pacientes será solicitar a inclusão das novas informações de segurança nas bulas de todos os medicamentos que contêm o princípio ativo hidroclorotiazida

Da Veja


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.