Má alimentação mata mais do que o cigarro, alerta estudo

Má alimentação aumenta o risco de obesidade, doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2 e câncer

Por Oeste Mais

08/04/2019 17:59



A alimentação diária seguida por grande parte da população mundial é responsável por mais mortes do que o cigarro, alerta estudo publicado na quinta-feira, dia 4, no periódico científico The Lancet. O relatório indica que uma em cada cinco mortes ocorridas em 2017 estava associada ao consumo excessivo de sal, açúcar ou carne, ou por carência de cereais integrais e frutas.

 

Os pesquisadores ainda destacaram que a má alimentação aumenta o risco de obesidade, doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2 e câncer – problemas que juntos somaram 11 milhões de mortes em 2017.

 

A pesquisa está alinhada com outros dois estudos publicados em janeiro que ressaltaram o vínculo entre alimentação, meio ambiente e mudança climática. “Estes três fenômenos interagem: o sistema alimentar não é apenas responsável pelas pandemias de obesidade e desnutrição, como também gera entre 25% e 30% das emissões de gases do efeito estufa”, escreveram os cientistas.

 

Mas, ao contrário do estudo sobre a dieta da saúde planetária que insistia na redução drástica no consumo de carne e ovos, por exemplo, o novo relatório está longe da privação, indicando apenas a adição de alimentos mais saudáveis à dieta.

 

Para chegar a esses resultados, a pesquisa analisou quase vinte anos de dados dietéticos de 195 países, além de estudos epidemiológicos sobre riscos e benefícios para a saúde relacionados à nutrição, rastreando também morte prematura e deficiências provocadas por mais de 350 doenças.

Da Veja


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.