Levantamento aponta que 6,9% dos imóveis de Chapecó têm focos do mosquito da dengue

Município registra mais de 700 focos em 2019, quando em todo o ano passado foram 1.023

Por Oeste Mais

07/03/2019 15:30



O Levantamento Rápido de Índice de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa) aponta que Chapecó têm focos do mosquito transmissor da dengue em 6,9% dos imóveis do município. Os dados foram levantados entre 25 e 28 de fevereiro. Ao todo, 700 focos já foram registrados em 2019.

 

O LIRAa é realizado por orientação do Ministério da Saúde. As informações servem de ferramenta para o direcionamento e a qualificação das ações de prevenção e controle do Aedes aegypti. Na classificação, índices menores de 1 são considerados satisfatórios, de 1 à 3,9 são índices de alerta, e maiores de 3,9 são considerados de risco.

Equipe já registrou 700 focos do mosquito da dengue em 2019 (Foto: Divulgação)

De acordo com a Secretaria de Saúde de Chapecó, nunca foi tão alto o índice de infestação no município. O panorama dos principais tipos de criadouros de focos aponta que 41% foram encontrados em lixo e sucatas, 29% em baldes e pequenos recipientes, 13% em cisternas, 8% em pneus, 4% em piscinas, 4% em depósitos naturais e 1% em caixas de água.

 

Em todo o ano passado foram registrados 1.023 focos do mosquito em Chapecó. Em 2017 foram 601, com 514 em 2016, 846 em 2015 e 2.686 focos em 2014. Os casos com suspeita de dengue em Chapecó já chegam 59, com 42 negativos e 17 aguardando resultado. Ainda não foram registrados casos suspeitos de zika e chikungunya.

 

Dicas importantes

 

• Cuidado especial no armazenamento e destinação do lixo, mantendo-o em recipiente fechado e disponibilizando-o para recolhimento pela Limpeza Urbana na frequência usual;

 

•Jamais descarte o lixo ou qualquer outro material que possa acumular água no quintal de casa, no quintal de vizinhos, na rua ou em lotes vagos;

 

• Mantenha a caixa d’água sempre limpa e totalmente tampada. Além disso, mantenha as calhas livres de entupimentos para evitar represamento de água;

 

• Elimine os pratinhos de vasos de plantas; caso não seja possível mantenha-os limpos e escovados pelo menos três vezes ao dia;

 

• Ao trocar os pneus, deixe os velhos na borracharia, para que o destino adequado seja dado a eles;

 

• Mantenha limpos e escovados os bebedouros de animais domésticos; a água deve ser trocada diariamente; mantenha piscinas sempre em uso e devidamente tratadas;

 

• Atenção especial ao sair de férias para que esses cuidados estejam garantidos na ausência do morador.

 

• Receba os Agentes de Combate as Endemias e siga as orientações repassadas pela equipe.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.