Bebê de dois meses morre em hospital de SC

Secretaria de Saúde investiga se óbito tem relação com falta de leitos de UTI

Por Redação Oeste Mais

14/06/2022 10h12 - Atualizado em 14/06/2022 10h12



Uma menina de dois meses acabou morrendo no Hospital Infantil Joana de Gusmão, em Florianópolis, na madrugada do último sábado, dia 11, depois de ter sofrido três paradas cardiorrespiratórias.

 

De acordo com o que foi divulgado pelo g1, a Secretaria de Estado da Saúde está investigando se a morte tem relação com a superlotação da unidade.

 

Já o Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) comunicou que não recebeu informações sobre o caso, mas disse que acompanha a situação das UTIs neonatal e pediátrica no Estado através de um inquérito civil.

 

A instituição afirmou ainda que está em contato contínuo com as unidades para que haja agilidade no atendimento e na colocação das crianças em leitos quando necessário.

 

Superlotação

 

Segundo a SES, nove crianças seguiam em busca por leito de UTI pediátrica SUS na manhã desta segunda-feira. Em relação aos bebês, havia oito pacientes aguardando transferência no período.

 

Há também nove pessoas na fila para leito de UTI adulto nos hospitais de referência do Estado, sendo quatro deles têm problemas relacionados a doenças respiratórias. Por causa da superlotação, o governo decretou situação de emergência na saúde em 3 de junho. No hospital, todos os 29 leitos de UTI pediátrico e neonatal estão ocupados.

 

Em âmbito estadual, a taxa de ocupação de UTIs pediátricas é de 98,92%. Em relação aos leitos neonatal, todas as 173 vagas no Estado estão ocupadas. Há 17 crianças e bebês na fila de espera em Santa Catarina.

 

Nota da SES

 

"A Secretaria de Estado da Saúde (SES) informa que investiga as causas da morte de um bebê registrada no Hospital Infantil Joana de Gusmão, em Florianópolis. Até o momento, não há qualquer confirmação de que o lamentável fato tenha ocorrido em decorrência da não transferência do paciente para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI). A situação está sendo averiguada junto à unidade hospitalar para entender a situação clínica do recém-nascido desde a entrada no hospital até o momento do óbito.

Assim que os fatos forem devidamente apurados, a SES emitirá nota oficial sobre o caso".

Com informações do g1


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.