Governo de SC debate expansão de leitos de UTI no Ministério da Saúde

Estado decretou situação de emergência na Saúde na última sexta-feira

Por Redação Oeste Mais

08/06/2022 16h54 - Atualizado em 08/06/2022 16h56



(Foto: Mauricio Vieira/Secom)

O governador Carlos Moisés se reuniu com o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, em Brasília, nesta quarta-feira, dia 8, para tratar da alta na ocupação dos leitos de UTI neonatais e pediátricos em Santa Catarina.

 

Moisés detalhou ao ministro a estratégia do governo catarinense para abrir 77 novos leitos de UTI e retaguarda nos próximos três meses. Pelo menos 20 deles devem ser abertos já nos próximos dez dias.

 

O governador também debateu com o ministro quais dos novos leitos serão habilitados permanentemente. Para isso, solicitou a parceria do Ministério da Saúde. “Nós já ampliamos o número de leitos anteriormente. Por uma questão sazonal, isso não foi suficiente. Por isso, estamos adotando essa nova estratégia, com 77 novos leitos”, disse Moisés.

 

No encontro, o governador também solicitou ao ministro o envio de mais profissionais ao estado para atuar no combate à dengue. Outros temas tratados na conversa com Queiroga foram os processos de habilitação para novas especialidades em hospitais do estado, a dificuldade na aquisição de alguns medicamentos e o aumento da conectividade entre os sistemas do Estado e da União para a integração de dados.

 

Fila de espera

 

Santa Catarina tinha 26 pacientes, entre adultos e crianças, na fila de espera por vagas de UTI até a última segunda-feira, dia 6. Nas regiões Foz do Rio Itajaí, Grande Oeste, Meio-Oeste e Serra catarinense, a taxa de ocupação chegou a 100%. Apesar da fila, segundo a Secretaria de Estado de Saúde (SES), todos os pacientes que aguardam por transferência estão sendo assistidos. Santa Catarina decretou situação de emergência na Saúde na última sexta-feira, dia 3.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.