Onze crianças recebem dose de vacina contra Covid-19 em evento de imunização simbólica

Indígena de 8 anos e outras crianças com AME, síndrome de Down, fibrose cística e transplantadas estiveram presentes

Por Redação Oeste Mais

14/01/2022 16h31



Davi Seremramiwe Xavante, primeira criança vacinada contra a Covid no Brasil (Foto: Reprodução/g1)

Onze crianças receberam a primeira dose da vacina contra Covid-19 nesta sexta-feira, dia 14, em um evento de imunização simbólica organizado pelo governo de São Paulo. O governador João Doria (PSDB) acompanhou o ato, realizado no Hospital das Clínicas.    

 

O indígena Davi Seremramiwe Xavante, de 8 anos, foi a primeira criança a ser vacinada. Ele recebeu a dose por volta do meio-dia. Da etnia Xavante, Davi é morador de Piracicaba, no interior de São Paulo, mas está na capital paulista para realizar um tratamento médico. O governador João Doria (PSDB) acompanhou o ato.

 

O pai de Davi, cacique Xavante Jurandir Seremramiwe, participou da cerimônia de forma virtual.

Gianlucca Trevellin possui atrofia muscular foi vacinado contra a Covid-19 (Foto: Divulgação/g1)

Além de Davi, outras crianças foram vacinadas no evento inaugural, como Gianlucca Trevellin, de 9 anos, que tem atrofia muscular espinhal do tipo 1, Valentina Moreira, de 6 anos, e Caio Emanuel Oliveira, de 10 anos, que realizaram transplante de rim, e Isabela, de 9 anos, que tem fibrose cística.

Lorena Cordeiro, de 7 anos, tem Síndrome de Down (Foto: Reprodução/g1)

Graziely de Oliveira, de 8 anos, Leonardo Martinez, de 5 anos, Lorena Cordeiro, de 7 anos, Marcelo Gabriel Moreira, de 10 anos, Cauê Henrique dos Santos e Luis Felipe Barbosa, ambos de 11 anos, que possuem síndrome de Down, também receberam a vacinação.

 

As vacinas foram aplicadas pela enfermeira Jéssica Pires de Camargo, que também vacinou Mônica Calazans, de 54 anos, no evento que inaugurou a imunização contra Covid no país.

 

Nos postos de saúde de SP, a campanha de vacinação começa na segunda-feira, dia 17, para crianças com comorbidades, indígenas e quilombolas, por idade de maneira decrescente, como realizado nos adultos.

Com informações do g1


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.