OMS divulga recomendações sobre consumo de bebidas alcoólicas para infectados com Covid-19

Com as variantes e o aumento no número de infectados, muitos questionamentos surgem sobre a doença

Por Redação Oeste Mais

14/01/2022 13h50 - Atualizado em 14/01/2022 13h50



Com as variantes e o aumento no número de infectados, muitos questionamentos rondam a infecção de coronavírus. Nesta fase da pandemia, após a vacinação, a quantidade de pessoas que contraiu o vírus chegou a 97,2 mil casos em um dia no Brasil, no entanto, o número de internações é baixo. Entre tantas perguntas, surgem algumas dúvidas, entre elas, sobre o consumo de bebidas alcoólicas por pacientes infectados pela doença. 

 

As recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) para o consumo de bebidas alcoólicas durante a infecção de Covid-19 estão relacionadas ao sistema imunológico. Isso porque, ao beber, o sistema imunológico de uma pessoa costuma enfraquecer. Isso faz com que contrair a Covid-19 fique mais "fácil" do que em condições comuns, quando não se está sob efeito de álcool.

 

O álcool tem um efeito deletério no sistema imunológico e não estimula a imunidade e resistência a vírus. É como se o álcool reduzisse a capacidade de lidar com doenças infecciosas.

 

O álcool também não desinfeta boca e garganta. Por isso beber álcool não vai fornecer nenhum tipo de proteção contra o coronavírus. Ao contrário, consumir álcool pode aumentar os riscos para a saúde se uma pessoa for infectada pelo vírus.

 

Além disso, é importante lembrar que não se deve misturar álcool com medicamentos. Muitos remédios têm sua ação diminuída com o uso de bebidas alcoólicas, e outros tem a potência aumentada com essa mistura, tornando-os tóxicos e perigosos, principalmente remédios que agem no sistema nervoso central e causam sonolência.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.