Hospital de Xanxerê faz alerta de superlotação na Emergência

Orientação é que unidade só seja procurada em casos de “extrema urgência e emergência”

Por Oeste Mais

24/09/2021 10h48



Hospital Regional São Paulo (Foto: Divulgação)

A Direção do Hospital Regional São Paulo (HRSP), em Xanxerê, emitiu um comunicado na manhã desta sexta-feira, dia 24, alertando a população sobre a superlotação da emergência. A unidade manifesta “preocupação” e pede o apoio da comunidade regional. “A demanda por atendimentos e internações de pacientes aumentou consideravelmente”, aponta uma nota oficial.

 

Até a manhã desta sexta-feira estavam internados na Emergência 27 pacientes de Xanxerê e municípios vizinhos, sendo que há um paciente intubado. Em 24 horas foram atendidos 125 pacientes.

 

Conforme a direção do HRSP, a situação tem colocado a Emergência no limite da capacidade técnica (número de profissionais de enfermagem e médicos, além da quantidade de leitos). “A circunstância coloca em risco futuros atendimentos de emergência que possam surgir”, alerta o hospital.

 

“Devido ao fato de estarmos entrando no final de semana - onde estarão fechadas as Unidades Básicas de Saúde, a instituição pede a compreensão da comunidade, para que a Emergência do HRSP seja acessada somente em casos de extrema urgência e emergência”, informa a nota.

 

A direção do HRSP também aponta que a emergência atua com protocolo de acolhimento e classificação de risco. “A classificação é uma ferramenta elaborada pelo Ministério da Saúde e utilizada para avaliar e identificar os pacientes que necessitam de atendimento prioritário – de acordo com a gravidade clínica, potencial de risco, ou agravos à saúde”.

 

O hospital informa que o protocolo prioriza o atendimento de pacientes classificados nas cores vermelho e amarelo, enquanto os demais, classificados em verde e azul, podem aguardar ou procurar as Unidades de Saúde e Pronto Atendimento dos próprios municípios.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.