Casal de caminhoneiros de São Paulo volta para casa após 10 dias internado no hospital de Ponte Serrada

Com sintomas de Covid-19, eles pediram ajuda na estrada e tiveram ajuda da comunidade. Emocionados, foram aplaudidos na saída do hospital

Por Redação Oeste Mais

09/07/2021 16h25 - Atualizado em 09/07/2021 16h55



Casal ficou internado no Hospital Santa Luzia (Foto: Divulgação)

Os caminhoneiros Antônio Raglio Neto e Sheila Queiroz dos Reus, de São Paulo, tiveram alta hospitalar nesta sexta-feira, dia 9, após 10 dias internados com Covid-19 no Hospital Santa Luzia, em Ponte Serrada, no Oeste do Estado. A história do casal emocionou a equipe do hospital e gerou comoção na comunidade. 

 

Na última terça-feira, dia 29, no auge da frente fria que assolou Santa Catarina, o casal se sentiu mal no meio da estrada. Eles estavam no Oeste catarinense a trabalho, sem roupas adequadas para o frio intenso, quando apresentaram os primeiros sintomas da Covid-19. Com febre, eles decidiram pedir ajuda na beira da estrada, onde foram socorridos pelo Corpo de Bombeiros e encaminhados ao Hospital Santa Luzia. Era a primeira vez que o casal visitava a região. 

 

"Geralmente trabalhamos entre o Pará e o Maranhão, mas surgiu a oportunidade de descarregar o caminhão em Concórdia. Como não conhecíamos nada por aqui, decidimos vir. Ficamos bem desesperados com o diagnóstico de Covid-19, mas não tínhamos noção do acolhimento que teríamos aqui", emociona-se Sheila.

 

Ela sempre viaja junto com o companheiro. No ano passado, o casal ficou sete meses viajando a trabalho, sem ir para casa. Desta vez, já fazia três meses que eles estavam longe dos familiares. Agora, poderão retornar, mas terão que diminuir o ritmo -  como Sheila teve comprometimento do pulmão por conta da doença, terá que passar um tempo em casa antes de poder viajar novamente. 

 

"Quando minha mãe soube que estávamos aqui, ela queria mandar ambulância para nos buscar. Mas vimos que aqui era bom e falamos que ficaríamos aqui até o final. Não conhecia o atendimento do Sul, mas foi 100%", diz Antônio. 

 

"Foi um atendimento bem diferente dos demais, envolveu bastante a equipe. São pessoas de longe, com dificuldades, em um território totalmente diferente do deles. Eram super simpáticas e alegres, dispostas a melhorar, que torceram junto com a gente. Como médicos, somos instruídos a estar próximos mas manter uma distância, para que o emocional não comprometa o tratamento do paciente, mas foi bem difícil nesse caso. Tentamos fazer o máximo para ajudar e foi muito gratificante. Casos assim são combustível para a gente se animar e seguir em frente", comenta o médico Plínio Oliveira Filho, do Santa Luzia, que acompanhou de perto o tratamento do casal. 

Equipe com paciente recuperado da Covid-19 (Foto: Divulgação)

Caminhão e cachorrinho Teo foram cuidados pela comunidade durante a internação

 

Com o resgate, o caminhão ficou abandonado e começou a receber multas por estar estacionado em local impróprio. Pessoas da comunidade ajudaram a recolher o veículo e fizeram pequenos reparos necessários para que eles pudessem continuar a viagem após a alta hospitalar.

 

"Conseguimos ficar tranquilos, até deixamos de pensar na situação do caminhão e pudemos focar na recuperação", relembra Sheila.

 

Até o cachorrinho Teo, que sempre acompanha o casal nas viagens, foi acolhido em um pet shop da cidade. Nesta sexta-feira, dia 9, os três vão se reencontrar e voltarão para São Paulo, onde a família os espera ansiosamente. A viagem de volta vai levar três dias - por orientação médica, o casal deve ir devagar e parar para descansar durante o trajeto, pois ainda estão em recuperação.

 

Por: Yasmine Holanda Fiorini 


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.