Mais de 1,9 mil pacientes já passaram pelo centro de triagem da Covid-19 em Ponte Serrada

Associação Hospitalar Santo Expedido, responsável pelo trabalho no local, fez prestação de contas à comunidade

Por Jhonatan Coppini

08/04/2021 11h59



Prestação de contas sobre o centro de triagem ocorreu na noite de quarta-feira (Foto: Jhonatan Coppini/Oeste Mais)

A Associação Hospitalar Santo Expedito (AHSE) realizou na noite desta quarta-feira, dia 7, uma prestação de contas sobre os trabalhos realizados no Centro de Triagem da Covid-19 (CTC) em Ponte Serrada. A entidade é responsável pela manutenção do local desde o ano passado, quando foi aberto o CTC no Hospital Municipal.

 

Foram 1.907 pacientes atendidos entre maio de 2020 a fevereiro de 2021, conforme os dados apresentados pela associação. O trabalho necessitou de um investimento de R$ 691 mil durante o período, mas a receita financeira recebida foi de pouco mais de R$ 550 mil – R$ 55 mil destinados mensalmente pela administração municipal. No balanço financeiro, o déficit chega a R$ 141 mil.

 

“São recursos que a gente está tirando da própria associação por um bem maior, que é salvar vidas”, disse Rodrigo Dalfovo, diretor administrativo da AHSE. Ele reforçou que como a associação não tem o objetivo de obter lucro, o foco é manter um trabalho de qualidade na saúde, por meio do Hospital Santa Luzia, conduzido pela instituição.

 

O diretor administrativo informou também que o centro de triagem fica 24 horas aberto, mas o paciente sempre é direcionado pelo Hospital Santa Luzia. Aliás, é a unidade que deve ser procurada durante o plantão a qualquer sintoma de Covid-19. “O hospital faz o direcionamento do paciente para lá quando há necessidade”, reforçou.

Associação quer promover prestação de contas a cada bimestre (Foto: Jhonatan Coppini/Oeste Mais)

Mesmo com o balanço financeiro no vermelho, a associação optou por seguir com o centro de triagem ativo para enfrentar o pior momento da pandemia. “A gente tem uma máxima na medicina que é assim: o paciente sempre em primeiro lugar [...]. Essa questão do quanto custa não existe no atendimento médico”, comentou o médico Erick Takahashi. Ele é um dos seis médicos que compõem o corpo clínico da AHSE. A equipe também é formada por oito enfermeiros e 17 técnicos de enfermagem.

 

Fechamento do CTC

 

De acordo com a associação, o CTC no Hospital Municipal deverá ser fechado dentro dos próximos dias. A justificativa é que a triagem está sendo possível ser feita no próprio Hospital Santa Luzia, recentemente reforçado com leitos específicos para pacientes com Covid-19.

 

Os números da pandemia também se mostram arrefecidos na região, mas Erick alerta que não é momento para descuido. “Teve dias de 20 pacientes internados e ao menos uns seis, sete deveriam estar na UTI, estavam na fila. E como é que você explica pra família que o ente querido dela está na fila e é o número 300 da fila para UTI? É muito difícil”, declarou ao lembrar que as UTIs ainda seguem lotadas na região.

 

A intenção da AHSE é realizar uma reunião bimestral para a apresentação dos números da entidade. A associação também está aberta à participação de mais pessoas, como destacou o presidente Lucas Fernando Alves. “Convidamos a população para vir trabalhar junto com a equipe, para cada vez melhorar o atendimento e os serviços prestados, o que já vem acontecendo nesse período em que a associação está à frente do Hospital Santa Luzia”.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.