VÍDEO: "Só não fui intubada porque outra paciente acabou piorando", conta jornalista de 23 anos, recuperada da Covid-19

Andrieli Severo chegou a ficar 10 dias internada, mas se recuperou e hoje comemora a nova oportunidade de viver

Por Andressa Maria Guinzelli

07/04/2021 16h39 - Atualizado em 07/04/2021 17h07



Dia em que a jornalista recebeu alta hospitalar (Foto: Arquivo Pessoal)

“Eu não conseguia levantar da cama sozinha”, essas são as palavras da jovem jornalista de 23 anos, Andrieli Severo, que lutou e venceu a Covid-19. Após 10 dias de internação, a locutora de Caibi, no Oeste de Santa Catarina, relata os principais momentos da luta travada pela vida (assista mais abaixo).

 

​Uma mulher ativa, apaixonada pelo trabalho e a família, que buscava uma vida ativa em atividades físicas, como caminhadas e musculação, sem nenhuma comorbidade, Andrieli viu sua vida mudar no dia 9 de março, quando alguns sintomas da doença começaram a fazer parte da rotina.

 

“Eu iniciei o mês de março muito cansada e com dores de cabeça, mas não tenho certeza se já havia contraído o vírus. Na terça-feira, dia 9 de março, passei a ter, além da dor de cabeça, uma tosse leve. Na quarta-feira, dia 10, eu tive a sensação de que estava contaminada, minha intuição dizia isso. Decidi fazer o teste no final da tarde e dentro de 30 minutos já estava com o diagnóstico positivo para a Covid-19”, conta a jovem. 

 

Após o diagnóstico, a locutora procurou por atendimento médico na Unidade de Saúde de Caibi, onde foi atendida e recebeu alguns medicamentos para que pudesse dar continuidade ao tratamento em casa. Com a sensação de que apenas sintomas leves faziam parte de seu cotidiano, foi vendo a situação ser revertida quando não conseguia mais se alimentar.

 

A fraqueza começou a tomar conta do corpo da jornalista. Foi então que novos sintomas começaram a aparecer, a febre alta chegou acompanhada de falta de ar e longos dias de mal-estar. 

 

“Tive a ocorrência de febre alta e passei a sentir muita falta de ar, mas como eu já havia ouvido relatos de que a Covid-19 causava isso em ‘todo mundo’, eu achei que fosse normal e que tudo iria passar ao longo dos dias”, relembra. 

 

A primeira ida ao hospital para observação veio em um domingo, dia 14 de março. Com os sintomas cada vez mais fortes, a jornalista procurou atendimento no Hospital Beneficente São José, também em Caibi, onde recebeu soro, oxigênio e foi liberada. 

 

“Piorei cada vez mais, ia somente do sofá para a cama e simplesmente não conseguia fazer nada, eu dormia em horários aleatórios, não conseguia tomar banho direito, não tinha forças para colocar roupa lavar e, na realidade, não lembro de muita coisa. Mas eu continuava acreditando que estava bem”.

 

Sem forças para conseguir utilizar suas redes sociais, Andrieli, que mora sozinha, acabou sendo surpreendida por um pedido dos pais após ficar um dia todo sem conseguir dar notícias, foi o apelo da mãe para que a filha buscasse novamente por atendimento médico.

 

Quando ao procurar o hospital pela segunda vez acabou sendo internada, ficando em observação, a jovem acreditava que a alta viria nas próximas horas, mas para sua surpresa, uma notícia indesejada chegou por meio dos médicos, a transferência para Palmitos, que possui hospital referência em atendimento Covid.

 

Andrieli chegou a ficar cerca de 10 dias internada (Foto: Arquivo Pessoal)

A situação havia se agravado, e após diversos exames, constantes medicações e oxigênio no máximo, a intubação seria a solução, mas outra paciente em situação mais grave ocupou a vaga, assim Andrieli permaneceu internada com a máscara de oxigênio e o nome na lista de espera. 

 

“Na segunda-feira, dia 20, consegui conversar com o médico e somente então fiquei sabendo da gravidade da situação: ‘quando chegou, você estava se agarrando nos tubos’, ele me disse.” comenta Andrieli

 

Após 10 dias de internação e de muita luta e dedicação por parte de toda a equipe médica, a locutora pôde finalmente ir para casa:

 

“O médico tentou de tudo para que eu não fosse intubada e, de uma maneira quase inexplicável, fui melhorando muito rapidamente e após 10 dias eu pude ir para casa.”

 

Após a internação, uma nova fase da recuperação se iniciou ao lado da família, com apoio e amor de pessoas próximas e amigos  Andrieli viu sua energia voltar e pôde comemorar sua vitória contra a Covid-19.

 

“O que amenizava o sofrimento era o contato via redes sociais, recebi muito carinho, muitas mensagens de apoio que aqueciam meu coração, principalmente de familiares, amigos, colegas de trabalho e ouvintes. Isso me deu muita força, porque foi um momento em que eu realmente percebi que existem pessoas que me admiram, que gostam de mim, que sentiram saudade. São coisas que na correria do dia a dia não paramos para pensar, geralmente não nos damos conta do quanto fazemos a diferença na vida das pessoas”, destaca a jovem. 

 

Ainda com algumas sequelas, Andrieli voltou ao trabalho que tanto ama, como locutora na rádio 96,7 FM, em Caibi, as medicações continuam a acompanhando nesta fase, mas a sensação de ter uma nova oportunidade de viver, torna os pequenos sintomas que sobraram irrelevantes. 

 

“Vivemos como se fôssemos imortais, mas não somos. A Covid-19 não é brincadeira. É uma doença que não escolhe quem será acometido e de um dia para o outro pode nos tirar do chão. Espero que tudo isso passe logo e que todos possamos ficar bem”, finaliza Andrieli.

 

Assista ao depoimento de Andrieli Severo:


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.