Ministro da Saúde fala em campanha para 'economizar oxigênio' em hospitais

Marcelo Queiroga quer uso racional do suprimento

Por Oeste Mais

30/03/2021 08h48 - Atualizado em 30/03/2021 08h50



Em meio à crise por falta de insumos para intubação de pacientes com Covid-19, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, falou em lançar uma campanha para economia de oxigênio nos hospitais. A declaração foi dada em uma audiência pública no Senado Federal, nesta segunda-feira, dia 29.

 

“Todos sabemos que muitas pessoas chegam aos hospitais e às vezes a primeira providência é colocar o oxigênio nasal em quem não precisa de oxigênio. Então vamos tentar economizar. Vamos fazer uma grande campanha junto aos profissionais de saúde para o uso racional do oxigênio”, disse.

 

De acordo com o ministro, a dificuldade não seria na fabricação de oxigênio, mas armazenamento e transporte até os hospitais. Nesse sentido ele citou a falta de caminhões-tanque.

 

O Brasil teria uma necessidade evidente de 50 caminhões — ele afirmou ter providenciado a importação de 13 caminhões-tanques usados, oriundos do Canadá. Em relação aos cilindros, uma possibilidade posta foi a realocação de cilindros usados na indústria para a saúde.

 

Uso de máscara

 

Durante a audiência, o ministro foi enfático na importância do uso de máscara de proteção. "Se todos os brasileiros usassem máscara nos teríamos um efeito quase igual ao da vacinação. Então usar máscara é obrigação de todo os brasileiros", declarou. As medidas de distanciamento social também foram pontuadas por ele como essenciais e o ministro falou em chamar atenção da população para este cuidado.

 

Leitos para o SUS

 

Queiroga disse que o Ministério da Saúde vai pedir os leitos atualmente ocupados por pacientes da iniciativa privada para alocação de pacientes do SUS (Sistema Único de Saúde) internados com Covid-19. A estratégia visa combater a superlotação de UTIs enfrentada pela rede pública.

 

"Da mesma maneira que estamos acompanhando os estoques de equipamentos, queremos saber como está a disponibilidade de leitos na iniciativa privada. Queremos que retirem os pacientes deles que estão na rede SUS e levem para a rede deles para que possamos atender o SUS".

 

Ainda durante a audiência, o ministro falou em vacinar 2,4 milhões de pessoas por dia, mas reconheceu que, apesar no aumento no número de imunizados, o país ainda esbarra na falta de imunizantes.

Com informações do UOL


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.