Governo Federal assina com a Pfizer e com a Janssen contratos que preveem 138 milhões de doses de vacina

Imunizante da Janssen é a única que requer somente uma dose por pessoa

Por Oeste Mais

19/03/2021 14h32 - Atualizado em 19/03/2021 14h32



O governo federal concluiu nesta quinta-feira, dia 18, a assinatura dos contratos com as farmacêuticas Janssen (do grupo Johnson & Johnson) e Pfizer que preveem, ao todo, a entrega de 138 milhões de doses da vacina contra a Covid-19. Desse total, 100 milhões de doses serão da Pfizer e 38 milhões serão da Janssen.

 

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, que está de saída do cargo, já havia anunciado nos últimos dias que o governo estava prestes a assinar os acordos.

 

No Brasil, as vacinas que, até agora, obtiveram o registro definitivo pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para aplicação na população são a da Pfizer e a da AstraZeneca/Oxford. A da Janssen não tem registro definitivo nem autorização para uso emergencial.

 

Atualmente, o Brasil aplica na população as vacinas da CoronaVac, que por enquanto só tem a autorização emergencial, e a da AstraZeneca/Oxford.

 

As vacinas da Pfizer e da Janssen já foram aprovadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para uso emergencial. A da Janssen, das vacinas que já estão sendo aplicadas no mundo, é a única que requer somente uma dose por pessoa.

 

Prazos de entrega

 

No caso das 38 milhões de doses da Janssen, a previsão de entrega é o quarto trimestre de 2021.

 

As doses da Pfizer, de acordo com o contrato, deverão ser entregues no seguinte cronograma:

 

Segundo trimestre de 2021: 13.518.180 doses

 

Terceiro trimestre de 2021: 86.482.890 doses

 

Valores

 

De acordo com o contrato, o Brasil vai pagar dez dólares por doses da vacina da Pfizer. Com isso, o contrato com a empresa é de 1 US$ bilhão.

 

O contrato da Janssen prevê também o valor de dez dólares por dose e um pagamento de primeira parcela de US$ 95 milhões.

Com informações do G1


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.