Senador e diplomata de comitiva de Bolsonaro nos EUA testam positivo para coronavírus

Após dizer que não tem Covid-19, presidente deve fazer novo teste

Por Redação Oeste Mais

14/03/2020 07h46 - Atualizado em 17/04/2020 14h39



Nestor Forster (ao centro, de óculos e gravata azul), acompanha o presidente Jair Bolsonaro durante evento em Miami, no dia 9 de março (Foto: Alan Santos/Presidência da República)

A Embaixada do Brasil em Washington anunciou na noite desta sexta-feira, dia 13, que o encarregado de negócios, o embaixador Nestor Forster, teve diagnóstico positivo para a Covid-19.

 

Forster, escolhido para ser o embaixador do Brasil nos EUA, prolongará sua quarentena, imposta por conta própria como medida de precaução, por mais duas semanas.

 

Ele esteve com o presidente Jair Bolsonaro em eventos nos Estados Unidos no último final de semana, inclusive em Mar-a-Lago, durante o jantar oferecido pelo presidente americano, Donald Trump. Mas, segundo a embaixada brasileira, sentou-se em um lugar à mesa longe do presidente dos EUA.

 

Forster é o terceiro membro da comitiva brasileira que esteve no jantar de Trump a confirmar contágio pelo coronavírus, após o secretário de Comunicação do Planalto, Fabio Wajngarten, que está em quarentena domiciliar, e o senador Nelsinho Trad.

 

O presidente Bolsonaro realizou um teste para saber se tinha o coronavírus, e nesta sexta-feira anunciou em redes sociais que o resultado foi negativo. Em seguida, deixou a residência oficial do Palácio da Alvorada no início da tarde e voltou a trabalhar no Palácio do Planalto.

 

Bolsonaro, porém, deve ser submetido a um novo teste, de acordo com o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. Enquanto o novo exame não é realizado, o presidente deve ser monitorado no Palácio da Alvorada.

 

Durante uma entrevista coletiva na tarde desta sexta-feira, Donald Trump voltou a afirmar que não está preocupado por ter estado no mesmo ambiente que Wajngarten, mesmo sabendo que o secretário está com Covid-19.

 

O presidente americano disse que poderá fazer o teste para a doença em breve, mas não por causa do encontro com a comitiva brasileira de Bolsonaro.

Com informações do G1


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.