Berço nem sempre é um lugar seguro para o bebê, diz estudo

Pesquisa diz para os pais dormirem no mesmo quarto do bebê para evitar problemas, mas nunca colocá-lo na mesma cama

Por Redação Oeste Mais

06/04/2018 14h57 - Atualizado em 17/04/2020 14h39



Síndrome da morte do lactante acontece quando um bebê aparentemente saudável morre sem explicação (Foto: Divulgação)

Deixar o bebê dormindo de barriga para baixo pode aumentar o risco de ele sofrer a síndrome da morte súbita infantil, segundo estudo feito pela Universidade da Vírginia, nos Estados Unidos.

 

O estudo, publicado no Jornal Pediatrics, afirma que os recém-nascidos que faleceram por causa dessa síndrome provavelmente foram colocados nessa posição. 

 

Outro perigo que pode levar a morte súbita infantil é colocar objetos demais no berço da criança, como cobertores e brinquedos, já que eles aumentam o risco de sufocamento ou estrangulamento.

 

Síndrome da morte súbita infantil

 

Também conhecida como síndrome da morte do lactante, acontece quando um bebê aparentemente saudável morre sem explicação.

 

A síndrome geralmente ocorre nos primeiros seis meses da vida de um bebê e é mais comum naqueles nascidos prematuramente ou com baixo peso ao nascer.

 

Ainda um mistério para os médicos, esse problema mata cerca de três a 500 bebês todos os anos apenas nos EUA e 20% dos casos são registrados quando o bebê é deixado sob a supervisão de alguém que não seja seus pais, como em escolas, creches ou babás. 

 

No Hemisfério Norte, ela parece ser mais comum que no Brasil, mas é possível que não haja tantos registros porque nem sempre um bebê brasileiro passa por autopsia ao morrer.  

 

Sem saber explicar muito bem como a síndrome realmente acontece, alguns especialistas especulam que talvez essas crianças tenham um problema na parte do cérebro que controla a respiração e o despertar e que, por isso, tenham mais dificuldade para reagir no caso de alguma coisa atrapalhar a respiração, como cobertas tampando o rosto.

 

Além disso, alguns cientistas associam a síndrome da morte súbita infantil com dormir com os pais, que pode causar sufocamento ou superaquecimento, e obstruções respiratórias, causadas muitas vezes por objetos deixados no berço.

 

Para evitar que isso aconteça, pais e responsável são aconselhados a evitar deixar objetos no berço, especialmente se a criança for deixada sozinha por alguns minutos.

Dormir com os pais coloca a criança em risco de superaquecimento ou sufocamento (Foto: Divulgação)

A pesquisa

 

Segundo o Daily Mail, os pesquisadores revisaram mais de 10.000 mortes infantis nos Estados Unidos e descobriram que 1.375 ocorreram quando um dos pais não estava presente.

 

Através da análise de dados, eles determinaram que prestadores de cuidados infantis licenciados — pessoas que passam por treinamento especifico e possuem licença para cuidar de crianças — estão mais propensos a colocar o bebê para dormir no berço (72,5%), segundo a recomendação de especialistas.

 

Entre as babás, esse número foi de 49,1% contra 29,4% dos parentes e 27,1% de amigos da família.

 

Já na questão da posição em que a criança é colocada para dormir, a pesquisa descobriu que 54,1% profissionais licenciados colocaram as crianças na posição recomendada (de costas), em comparação com apenas 38,4% dos familiares, 38,6% dos amigos e 37,8% das babás. 

 

Mortes sob a supervisão de amigos e parentes eram mais prováveis ??de ocorrer enquanto os bebês eram mantidos ou colocados em uma cama de adulto.

 

Dormir com os pais? Jamais!

 

Academia Americana de Pediatria (AAP) recomenda que os pais durmam no mesmo quarto do bebê para os monitorarem de perto, mas não devem colocá-lo para dormir na mesma cama.

 

Isso porque estudos anteriores sugerem que dormir com os pais coloca a criança em risco de superaquecimento ou sufocamento, duas das causas da morte súbita.

 

A pesquisa

Segundo o Daily Mail, os pesquisadores revisaram mais de 10.000 mortes infantis nos Estados Unidos e descobriram que 1.375 ocorreram quando um dos pais não estava presente.

 

Através da análise de dados, eles determinaram que prestadores de cuidados infantis licenciados — pessoas que passam por treinamento especifico e possuem licença para cuidar de crianças — estão mais propensos a colocar o bebê para dormir no berço (72,5%), segundo a recomendação de especialistas.

 

Entre as babás, esse número foi de 49,1% contra 29,4% dos parentes e 27,1% de amigos da família.

 

Já na questão da posição em que a criança é colocada para dormir, a pesquisa descobriu que 54,1% profissionais licenciados colocaram as crianças na posição recomendada (de costas), em comparação com apenas 38,4% dos familiares, 38,6% dos amigos e 37,8% das babás. 

Mortes sob a supervisão de amigos e parentes eram mais prováveis ??de ocorrer enquanto os bebês eram mantidos ou colocados em uma cama de adulto.

 

Dormir com os pais? Jamais!

Academia Americana de Pediatria (AAP) recomenda que os pais durmam no mesmo quarto do bebê para os monitorarem de perto, mas não devem colocá-lo para dormir na mesma cama. Isso porque estudos anteriores sugerem que dormir com os pais coloca a criança em risco de superaquecimento ou sufocamento, duas das causas da morte súbita.

 

Da Veja


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.