Municípios do Oeste lideram lista dos que mais registram casos autóctones de dengue

Chapecó entrou nesta semana para o quadro de municípios com epidemia da doença

Por Oeste Mais

18/05/2016 10h51 - Atualizado em 17/04/2020 14h39





A Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (Dive/SC) divulga o boletim número 18 de dengue, zika e chikungunya no início da noite de terça-feira, dia 18. No período de 1º de janeiro a 14 de maio foram notificados 11.722 casos suspeitos de dengue no estado. Do total, 4.116 (35%) foram confirmados. A maioria é de municípios do Oeste (veja ao lado).

 

Segundo a Dive, outros 528 (5%) dos casos estão inconclusivos e 6.421 (55%) foram descartados por apresentarem resultado negativo para dengue. Outros 657 (6%) casos suspeitos ainda estão em investigação.

 

Do total de casos confirmados (4.116) até o momento, 3.788 (92%) são autóctones, com transmissão dentro de Santa Catarina, 247 (6%) são importados (transmissão fora do estado) e 81 (2%) estão aguardando definição do Local Provável de Infecção (LPI).

 

Até o momento, conforme informações sobre LPI, existem confirmação de transmissão autóctone de dengue em 24 municípios de Santa Catarina: Balneário Camboriú, Bom Jesus, Brusque, Caibi, Chapecó, Coronel Freitas, Descanso, Florianópolis, Guaraciaba, Guatambu, Itajaí, Joinville, Itapema, Itapoá, Maravilha, Modelo, Palmitos, Pinhalzinho, São José do Cedro, São Lourenço do Oeste, São Miguel do Oeste, Saudades, Serra Alta e Xanxerê.

 

O município de Pinhalzinho segue apresentando o maior número de casos autóctones (2.392) no estado, com uma taxa de incidência de 12.794,2 casos por 100 mil habitantes. Além de Pinhalzinho, Serra Alta possui uma taxa de incidência de 4.498,8 casos por 100 mil habitantes, Bom Jesus 2.552,3 por 100 mil/hab, Coronel Freitas 1.499,9 por 100 mil/hab, Descanso 1022,9 por 100 mil/hab e Modelo 455,7 por 100 mil/hab. Todos são do Oeste catarinense.

 

Epidemia em Chapecó

 

O município de Chapecó também entrou nesta semana no quadro de municípios em epidemia de dengue, com 338,7 casos por 100 mil habitantes. A Organização Mundial da Saúde (OMS) define o nível de transmissão epidêmico quando a taxa de incidência é maior de 300 casos de dengue por 100 mil habitantes. O município também registrou a morte de um paciente de 37 anos por dengue no dia 13 de março.

 

Municípios infectados

 

Subiu para 43 o número de municípios considerados infestados pelo mosquito Aedes aegypti: Anchieta, Balneário Camboriú, Bom Jesus, Caçador, Camboriú, Chapecó, Cordilheira Alta, Coronel Freitas, Coronel Martins, Cunha Porã, Descanso, Florianópolis, Guaraciaba, Guarujá do Sul, Itajaí, Itapema, Itapiranga, Joinville, Maravilha, Modelo, Nova Erechim, Nova Itaberaba, Novo Horizonte, Palma Sola, Palmitos, Passo de Torres, Pinhalzinho, Planalto Alegre, Princesa, Porto União, Quilombo, São Bernardino, São Domingos, São José, São José do Cedro, São Lourenço do Oeste, São Miguel do Oeste, Santo Amaro da Imperatriz, Serra Alta, Sul Brasil, União do Oeste, Xanxerê e Xaxim. Em comparação com o último boletim, houve a inclusão dos municípios de Nova Erechim, Palma Sola, Porto União, São Domingos, São José do Cedro e Sul Brasil.

 

A definição de infestação é realizada de acordo com a disseminação e manutenção dos focos. Os municípios de Bom Jesus e Descanso, embora não tenham detectado até o momento disseminação e manutenção dos focos de Aedes aegypti, foram considerados infestados em função da elevada taxa de incidência de dengue em seus territórios (autoctonia).

 

Chikungunya

 

No período de 1º de janeiro a 14 de maio foram confirmados 48 casos de febre chikungunya em Santa Catarina. Do total, 46 (96%) são importados (transmissão fora do estado) e dois (4%) estão aguardando a definição do Local Provável de Infecção (LPI).

 

Zika vírus

 

No mesmo período foram confirmados 36 casos de zika vírus em Santa Catarina. Desses, 33 (92%) são importados, dois (6%) são autóctones e um (3%) aguarda a definição do LPI.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.