Bolsonaro recua e decide revogar decreto que facilita porte de arma de fogo

Em edição extra do 'Diário Oficial da União', Presidente regulamentou pontos questionados pelo Senado

Por Oeste Mais

25/06/2019 16:52 - Atualizado em 25/06/2019 16:52



O presidente Jair Bolsonaro voltou atrás e decidiu revogar decreto que flexibilizou o posse de armas. A informação foi repassada a senadores pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, durante reunião na tarde desta terça-feira, dia 25.

 

Além desse, outros dois decretos foram publicados. Todos regulamentam pontos que, no entendimento de senadores, extrapolaram a regulamentação do Estatuto do Desarmamento.  

 

A revogação foi tratada nos bastidores como uma condição para que a Câmara votasse na Comissão Especial da Reforma da Previdência a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 6/2019. 

Presidente Bolsonaro voltou atrás e decidiu revogar decreto que flexibilizou o posse de armas (foto: Reuters/Pilar Olivares)

O presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que o substitutivo do relator, Samuel Moreira (PSDB-SP), pode ser votado até quinta-feira , dia 27. No entanto, a votação foi negociada em cima da derrubada do decreto.

 

Mais cedo o porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros, havia afirmado que o governo não editaria nova medida e nem recuaria do texto. Porém, horas depois o governo publicou uma edição extra do Diário Oficial da União voltando atrás.  

 

No último dia 18, o plenário do Senado aprovou a revogação do decreto presidencial. Por 47 votos a 28, os senadores aprovaram um Projeto de Decreto Legislativo, do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e de outros senadores, que susta os efeitos da flexibilização. 

 

A maioria dos senadores argumentou que a alteração das regras para o acesso às armas por meio de decreto era inconstitucional e deveria ser feita por projeto de lei.

Com informações do Correio Braziliense


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.