Bolsonaro faz ‘declaração à nação’ em sinal de recuo diante de crise institucional

'Nunca tive intenção de agredir poderes', diz presidente em trecho de carta divulgada nesta quinta-feira

Por Oeste Mais

09/09/2021 17h16 - Atualizado em 09/09/2021 17h37



O presidente Jair Bolsonaro divulgou uma carta intitulada de "Declaração à Nação" (leia na íntegra mais abaixo) na tarde desta quinta-feira, dia 9, em tom de paz, depois de estimular manifestações contra ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e levantar outras bandeiras de afrontamento nos últimos tempos.

 

“Nunca tive nenhuma intenção de agredir quaisquer dos Poderes. A harmonia entre eles não é vontade minha, mas determinação constitucional que todos, sem exceção, devem respeitar”, diz o primeiro item, num total de dez, do documento divulgado por Bolsonaro.

 

Ainda nesta quarta-feira, dia 8, o presidente soltou um áudio pedindo para que os caminhoneiros encerrassem as manifestações e liberassem as rodovias bloqueadas no país. "Fala para os caminhoneiros aí, que são nossos aliados, mas esses bloqueios atrapalham a nossa economia. Isso provoca desabastecimento, inflação e prejudica todo mundo, em especial, os mais pobres”, afirmou Bolsonaro.

 

Também na carta divulgada na tarde de hoje, Bolsonaro disse que apesar de divergências sobre decisões do ministro Alexandre de Moraes, “pessoas que exercem o poder não têm o direito de ‘esticar a corda’, a ponto de prejudicar a vida dos brasileiros e sua economia”.

 

O presidente se reuniu hoje com o ex-presidente da República Michel Temer para possivelmente buscar conselhos voltados a uma solução para a crise institucional. Segundo a TV Globo, Bolsonaro não apenas convidou, mas enviou um avião da frota presidencial para buscar Temer em São Paulo. O ex-presidente inclusive seria responsável por redigir a carta assinada por Bolsonaro.

 

“Quero declarar que minhas palavras, por vezes contundentes, decorreram do calor do momento e dos embates que sempre visaram o bem comum”, aponta ainda Bolsonaro.

 

Confira a carta na íntegra:

 

Declaração à Nação

 

No instante em que o país se encontra dividido entre instituições é meu dever, como Presidente da República, vir a público para dizer:

 

1. Nunca tive nenhuma intenção de agredir quaisquer dos Poderes. A harmonia entre eles não é vontade minha, mas determinação constitucional que todos, sem exceção, devem respeitar.

 

2. Sei que boa parte dessas divergências decorrem de conflitos de entendimento acerca das decisões adotadas pelo Ministro Alexandre de Moraes no âmbito do inquérito das fake news.

 

3. Mas na vida pública as pessoas que exercem o poder, não têm o direito de “esticar a corda”, a ponto de prejudicar a vida dos brasileiros e sua economia.

 

4. Por isso quero declarar que minhas palavras, por vezes contundentes, decorreram do calor do momento e dos embates que sempre visaram o bem comum.

 

5. Em que pesem suas qualidades como jurista e professor, existem naturais divergências em algumas decisões do Ministro Alexandre de Moraes.

 

6. Sendo assim, essas questões devem ser resolvidas por medidas judiciais que serão tomadas de forma a assegurar a observância dos direitos e garantias fundamentais previsto no Art 5º da Constituição Federal.

 

7. Reitero meu respeito pelas instituições da República, forças motoras que ajudam a governar o país.

 

8. Democracia é isso: Executivo, Legislativo e Judiciário trabalhando juntos em favor do povo e todos respeitando a Constituição.

 

9. Sempre estive disposto a manter diálogo permanente com os demais Poderes pela manutenção da harmonia e independência entre eles.

 

10. Finalmente, quero registrar e agradecer o extraordinário apoio do povo brasileiro, com quem alinho meus princípios e valores, e conduzo os destinos do nosso Brasil.

 

DEUS, PÁTRIA, FAMÍLIA

 

Jair Bolsonaro
Presidente da República federativa do Brasil


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.