Deputado federal apresenta projeto de lei que prevê amputação de mãos de políticos corruptos

Proposta sugere que as amputações sejam realizadas pelo Sistema Único de Saúde

Por Oeste Mais

11/03/2020 10h24 - Atualizado em 17/04/2020 14h39



O deputado Emerson Miguel Petriv, mais conhecido como Boca Aberta, apresentou um projeto de lei à Câmara dos Deputados nesta terça-feira, dia 10, que prevê a "amputação das mãos de político condenado por crime de corrupção contra o patrimônio público, desde a condenação até o trânsito em julgado".

 

“O Brasil é o único país do mundo que não tem absolutamente nenhum político preso (ou apenas um) por corrupção”, anota Boca Aberta.

 

A amputação das mãos, segundo o que consta no projeto, seria aplicada a quem fosse condenado por crimes ligados a abuso do poder econômico ou político, contra a economia popular, a fé pública, a administração pública e o patrimônio público, lavagem ou ocultação de bens, direitos e valores, organização criminosa, quadrilha, improbidade administrativa e enriquecimento ilícito.

 

A lei, se aprovada, se estenderia a todos o cargos políticos do país, desde o presidente da República até os vereadores. O projeto prevê que a amputação seria feita pelo Sistema Único de Saúde (SUS) da cidade do político condenado.

 

No texto, o parlamentar cita uma série de países como China, Irã e Coreia do Norte como exemplos punitivos contra a corrupção: “O regime fechado da Coreia do Norte também condena corruptores à morte. Entre 2007 e 2010, pelo menos 37 pessoas foram executadas por praticar esse tipo de crime no país.”.

 

A íntegra da proposta se contradiz ao argumentar que o Brasil tem o segundo maior índice de corrupção do mundo, perdendo apenas para a Nigéria. Depois, no mesmo texto, Boca Aberta afirma que a Coreia do Norte, apesar das penas severas, ‘é o segundo país mais corrupto do mundo, atrás apenas da Somália’, sem citar as fontes usadas para apresentar o projeto de lei.

Com informações do Jornal Meia Hora


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.