Candidatos terão que se registrar para anunciar no Facebook

Medida criará uma marcação e também contará com uma espécie de biblioteca, que guardará por sete anos todas as publicações pagas relacionadas à política

31/07/2018 09h26 - Atualizado em 17/04/2020 14h39



De acordo com o Facebook, globalmente, cerca de 15 mil pessoas trabalham para a revisão de conteúdos (Foto: Dado Ruvic/Reuters)

Depois de ser acusado de influenciar o resultado das eleições nos Estados Unidos pela disseminação de notícias falsas e de ter sofrido interferência de agentes russos, o Facebook decidiu tomar medidas em prol de uma maior transparência na corrida eleitoral brasileira.

 

A partir desta terça-feira, os candidatos que desejam pagar para impulsionar suas postagens na rede social deverão se registrar no Facebook. A medida, anunciada na semana passada pela empresa, criará uma marcação para que o usuário possa ver quem pagou por aquele anúncio, além de uma espécie de biblioteca, que guardará por sete anos todas as publicações pagas relacionadas à política.

 

Segundo Katie Harbath, diretora global de engajamento com políticos e governos do Facebook, o Brasil é o segundo país onde os recursos estão sendo lançados, só atrás dos Estados Unidos.

 

Conforme a legislação eleitoral brasileira, apenas candidatos e partidos podem impulsionar conteúdos relacionados às eleições nas redes sociais, o que significa que uma pessoa física que não é candidata não pode pagar para ter uma postagem de campanha impulsionada. Para criar anúncios eleitorais, o anunciante, seja ele um partido ou um candidato, precisará passar por medidas de segurança, como autenticação no Facebook, envio de documentos de identidade e confirmação da localização no Brasil (para evitar a interferência de agentes externos).

 

Todos os anúncios pagos relacionados com o pleito de outubro serão identificados com os dizeres “propaganda eleitoral” a partir do dia 16 de agosto, quando a campanha começa oficialmente. Também ficará visível para o usuário o CPF do candidato que pagou por aquela publicação ou o CNPJ do partido.

 

Também a partir do dia 16, será possível acessar o chamado “Arquivo de anúncios”, que reunirá todos os anúncios eleitorais (ativos e inativos) com seus respectivos preços e informações sobre o público impactado por cada publicação. Os dados ficarão abertos por sete anos.

 

A medida pode colaborar com a transparência, mas um levantamento do Estadão, que revelou como as páginas anônimas em nomes de candidatos possuem muito mais engajamento dos usuários do que as páginas oficiais dos presidenciáveis, mostra que o Facebook ainda tem muito trabalho a fazer. Numa corrida que tem Jair Bolsonaro e Marina Silva como favoritos nas projeções mas com poucos segundos de tempo de horário eleitoral, o Facebook deve ter papel decisivo. Qualquer medida anunciada pela empresa californiana, portanto, conta.

Da Revista Exame


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.