Floreiras e agendamentos na saúde voltam a ser assuntos na Câmara de Vereadores

Temas foram discutidos durante a palavra livre da sessão desta segunda-feira

Por Jhonatan Coppini

04/07/2017 07h45 - Atualizado em 17/04/2020 14h39



Depois das críticas da vereadora Rubia Caroline Wrubel a uma pesquisa para a retirada das floreiras e aos agendamentos de consultas por telefone no Posto de Saúde de Ponte Serrada, os assuntos voltaram à palavra livre do Legislativo na reunião da noite desta segunda-feira, dia 3. Os temas tinham sido alvos de críticas por parte da vereadora na sessão da última semana.

 

Na ocasião, Rubia se disse ‘surpresa’ com a realização da pesquisa para ouvir a opinião da população sobre a retirada ou não das floreiras instaladas nos canteiros da Avenida 15 de Novembro, no Centro de Ponte Serrada. Ela também cobrou explicações sobre os atendimentos no Posto de Saúde, após, segundo a vereadora, uma moradora enfrentar dificuldades para conseguir consultar em razão de pessoas que tinham feito agendamentos por telefone.

 

Em relação às floreiras, o vereador da bancada governista, Júlio Cesar Paglia, foi à tribuna e defendeu a pesquisa. “Essa pesquisa teve quase 80% para a retirada dessas floreiras, e é isso que vamos fazer. Não vamos desperdiçar, mas sim ocupar em outros aspectos que ainda estão sendo estudados pelo prefeito”, informou.

 

Já sobre os agendamentos por telefone, ele defendeu a medida e chegou a ler na íntegra a postagem de uma funcionária pública, responsável pelo setor de agendamentos do Posto de Saúde, que se manifestou em uma rede social após as críticas da última semana.

 

A vereadora Rubia retornou à tribuna e explicou que as críticas não se referiram à servidora, mas à forma como os agendamentos são realizados. Ela voltou a sugerir prioridade no atendimento de pessoas que buscam pessoalmente o Posto de Saúde. “Que seja, por exemplo, deixado um horário, das quatro às cinco, para quem agendou por telefone, mas que se priorize aquele que está na ordem de chegada. Era esse o ponto e principal objetivo da crítica”, justificou.

 

Campanha educativa

 

A sessão desta semana teve um projeto do vereador Abel Conrado aprovado em primeira votação. O texto prevê a instituição de uma campanha educativa de conscientização sobre a síndrome alcoólica fetal no município. A medida visa conscientizar a população, especialmente as gestantes, que as bebidas alcoólicas ingeridas durante a gravidez podem causar sérios problemas à saúde do feto. O projeto deverá ser submetido a uma segunda votação na reunião da Câmara de Vereadores da próxima semana.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.