Prefeito de Florianópolis é solto e Justiça determina afastamento do cargo por 30 dias

PF investiga violação de sigilo de operações policiais em Santa Catarina

Por Oeste Mais

19/06/2019 08:42 - Atualizado em 19/06/2019 08:44



Gean Loureiro, prefeito de Florianópolis, foi preso em operação da Polícia Federal (Foto: Savio Hermano/G1 SC)

O prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro (sem partido), preso na Operação Chabu, da Polícia Federal, foi liberado na noite desta terça-feira, dia 18, depois de prestar depoimento. O desembargador Leandro Paulsen, do Tribunal Regional da 4ª Região (TRF4), que determinou a prisão temporária, mandou que o politico seja afastado do cargo de prefeito por 30 dias.

 

A operação investiga a violação de sigilo de operações policiais em Santa Catarina envolvendo políticos, empresários e servidores da Polícia Federal e da Polícia Rodoviária Federal. Os motivos da prisão do prefeito, ocorrida na manhã desta terça, não foram informados.

 

Em coletiva na noite desta terça, Loureiro afirmou que é inocente, se sente injustiçado e vai tentar revogar na Justiça a determinação do afastamento da função de chefe do Executivo municipal. Falou ainda que foi liberado porque a PF não viu indícios para mantê-lo preso. A assessoria do TRF4 disse que o desembargador concedeu ao delegado a possibilidade de relaxamento da prisão.

 

Também foi liberado na noite desta terça o policial rodoviário federal Marcelo Roberto Paiva Winter, diretor de comunicação do sindicato da categoria (SINPRF-SC), também preso de forma temporária. A informação foi confirmada pela PF.

 

Os outros presos temporariamente são:

 

- Fernando Caieron, delegado da PF, preso em Porto Alegre (RS);

 

- Luciano Veloso Lima, que foi secretário da Casa Civil no governo de Eduardo Moreira (MDB);

 

- Hélio Sant'Anna e Silva Júnior, delegado aposentado da Polícia Federal;

 

- José Augusto Alves, empresário;

 

- Luciano da Cunha Teixeira.

 

A investigação aponta para os crimes de associação criminosa, corrupção passiva, violação de sigilo funcional, tráfico de influência, corrupção ativa, e tentativa de interferir em investigação penal que envolva organização criminosa.

 

O que dizem os demais investigados

 

A reportagem não localizou a defesa de Fernando Caieron.

 

A defesa de Luciano Veloso Lima, Rubens Cabral Faria Junior, disse que o ex-secretário foi pego de surpresa pela operação e prestou depoimento até as 11h30 na Polícia Federal. O advogado ainda diz que a prisão "não explicita os delitos e que é arbitrária porque os fatos são frágeis".

 

A assessoria de imprensa do SINPRF-SC disse que irá se manifestar sobre a prisão de Marcelo Roberto Paiva Winter depois de ter acesso aos autos. A PRF afirmou que a Corregedoria da instituição busca informações com a PF para se manifestar.

 

Em nota, a empresa Grupo Nexxera disse que "não sabe do que se trata essa operação, pois é uma fase de investigação e provas" e que vai "contribuir com o que for preciso com as autoridades".

 

As defesas de José Augusto Alves, Luciano da Cunha Teixeira e Hélio Sant'Anna e Silva Júnior não foram localizadas.

Com informações do G1


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.