Filha adotiva é acusada de encomendar morte de casal degolado no Oeste

Mulher de 59 anos morreu na hora. Idoso de 67 anos sobreviveu ao crime no interior de Herval d’Oeste

Por Oeste Mais

06/04/2018 10:30 - Atualizado em 06/04/2018 10:36


Filha adotiva do casal degolado no último final de semana em Herval d’Oeste, Cleudimara de Fátima Bello Vissotto está sendo acusada pela polícia de ter encomendado a morte do pai e da madrasta. Além dela, Valdecir Pelentir e Vanderson Delsiovo Cruz foram presos pelo crime. As informações são do site Caco da Rosa.

 

O crime bárbaro aconteceu na madrugada do último sábado, dia 31, quando pessoas invadiram a residência do casal na Linha Santa Terezinha, interior de Herval d’Oeste.

Residência das vítimas na Linha Santa Terezinha, interior de Herval d’Oeste (Foto: Caco da Rosa)

Lucila Bello, de 59 anos, foi degolada pelos criminosos e morreu na hora. Já o esposo Otávio Bello, de 67 anos, conseguiu sobreviver mesmo tendo sido atingido com um golpe no peito e ter sofrido um corte profundo no pescoço.

 

“Três homens estiveram na residência, sendo que um deles é apontado como o executor e a mulher a mandante do crime”, informou o delegado Eduardo Borges, que conduz as investigações. Segundo ele, um dos envolvidos confessou o crime e deu detalhes sobre o caso.

 

Cleudimara, que é filha adotiva de Otávio, foi presa na manhã de sexta-feira, dia 6, junto com outras duas pessoas. De acordo com a polícia, a filha é a única herdeira de Otávio e teria encomendado a morte do casal com a promessa de vender as terras e dividir com os demais envolvidos.

 

“Os dois deveriam ter sido executados. A narrativa dos criminosos é clara nesse sentido, que chegaram para matar o casal, sem nenhuma conversa”, destacou o delegado.

 

Na residência dos presos os policiais encontraram a espingarda levada da moradia do casal e duas facas, uma delas usada para cometer o crime.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.