Polícia Civil conclui investigação de roubo onde vítima foi mantida refém por mais de 100 km

Autores invadiram uma propriedade rural no Oeste, roubaram uma caminhonete e fugiram levando uma jovem de 19 anos

Por Redação Oeste Mais

10/01/2022 11h31



A Polícia Civil concluiu na última sexta-feira, dia 7, o inquérito policial que investiga um grave crime de roubo ocorrido em Cunha Porã, no Oeste, em novembro do ano passado.

 

Conforme as investigações, no dia 27 de novembro dois homens chegaram em uma propriedade rural, na divisa de Cunha Porã e Caibi e, após render a nora da vítima, uma mulher de 19 anos que estava na propriedade, roubaram uma caminhonete Hilux e fugiram do local, sequestrando a jovem que foi levada pelos criminosos amarrada.

 

A vítima foi abandonada pelos criminosos na cidade de Renascença (PR), que fica há mais de 100 km da cidade, ocasião em que conseguiu pedir ajuda e avisar a família.

 

O veículo foi recuperado no mesmo dia na cidade de Francisco Beltrão (PR), e um dos autores do crime foi preso em flagrante após ter sido reconhecido pela jovem.

 

A polícia refez o trajeto percorrido pelos criminosos e conseguiu identificar o veículo utilizado para transportar os autores até o local do crime e, por meio de técnicas especiais de investigação, identificou o segundo suspeito, de 36 anos, natural do Paraná, que está foragido da Justiça por roubo.

 

Os investigados foram indiciados por roubo, por manterem a vítima em seu poder restringindo a liberdade e por transportar o veículo para outro Estado. Eles poderão ser condenados a penas de quatro a dez anos de prisão.

 

A Polícia Civil ainda aguarda o resultado de alguns exames requisitados aos IGP e autorização judicial para compartilhamento da prova produzida, pois foram encontrados importantes elementos de informação que podem ajudar a esclarecer outros crimes ocorridos na região.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.