Polícia conclui investigação e indicia 14 pessoas por tráfico de drogas em Pinhalzinho

Facção do RS tentou se instalar no município e líderes que tinham familiares na cidade traziam droga do estado gaúcho para ser distribuída região

Por Oeste Mais

18/05/2021 14h02 - Atualizado em 18/05/2021 14h02



A Polícia Civil, por meio das Delegacias de Pinhalzinho, Nova Erechim e Saudades, concluiu nesta semana uma investigação de organização criminosa que vinha se instalando em Pinhalzinho.

 

A investigação, que durou mais de dois meses, coletou provas de que uma facção do Rio Grande do Sul, desde o fim do ano passado, vinha tentando se instalar em Pinhalzinho.

 

Com esse objetivo, os principais líderes, que são primos um do outro e possuem família no município, traziam droga do estado gaúcho para ser distribuída em Pinhalzinho e região.

 

Um deles, de 22 anos, cuidava mais da parte financeira e atuava de dentro de uma prisão localizada no Rio Grande do Sul; o outro, de 21 anos, era o responsável por trazer a droga e distribuí-la aos demais, além de ameaçar a população local, especialmente do Bairro Jardim Maria Terezinha, inclusive com utilização de arma de fogo.

 

Além desses dois, ainda foram identificados outros 14 colaboradores, sendo 12 maiores de idade e dois adolescentes, todos moradores de Pinhalzinho, os quais recebiam essa droga e depois vendiam a usuários.

 

Durante toda a investigação, além da apreensão de grande quantidade de droga, arma e munições, ao todo 12 pessoas foram presas, sendo uma pela PM no dia 14 de março, uma pela Polícia Civil no dia 14 de abril, e outras dez pela Polícia Civil na última quarta-feira, dia 14, no bojo da Operação “Ás de Espada”. 

 

Dentre os crimes comprovados, estão o de organização criminosa, cuja pena prevista em lei é de reclusão, de três  a oito anos; de tráfico de drogas, com pena de reclusão de cinco a 15 anos; de porte ilegal de arma de fogo, com pena de reclusão, de dois a quatro anos; e de corrupção de menores, cuja pena é de reclusão, de um a quatro anos.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.