Mulher é presa por perseguir vizinhos há 14 anos

Casal procurou delegacia para denunciar xingamentos e contou que vizinha arremessava absorventes, areia e até fezes em piscina da casa

Por Oeste Mais

06/04/2021 16h28 - Atualizado em 06/04/2021 16h28



A Polícia Civil do Distrito Federal prendeu uma mulher de 55 anos suspeita de perseguir um casal de vizinhos há 14 anos. Segundo a investigação, a moradora de Vicente Pires cometia "ofensas e perturbações constantes", além de xingar as vítimas e arremessar na piscina objetos como absorventes, papel higiênico, areia e até fezes.

 

A prisão ocorreu nesta segunda-feira, dia 5, durante a operação "Mau vizinho 2". Segundo o delegado à frente do caso, João Ataliba, da 38ª Delegacia de Polícia, os atos da mulher configuram a prática de "stalking" – termo em inglês que se refere à perseguição obsessiva contra outra pessoa.

 

A investigação apontou que o casal de vítimas, de 47 e 39 anos, passou a ser perseguido pela autora após construírem uma casa ao lado do muro da residência. A partir de então, a vizinha – que não teve a identidade divulgada – passou a ofender a família.

 

"As ofensas e as perturbações passaram a ser constantes, ocasião em que a autora chamava o homem do casal de 'viado', gigolô, vagabundo, entre outros impropérios", disse o delegado.

 

Em outras ocasiões, segundo a Polícia Civil, a mulher passou a subir em uma escada que divide o muro das duas casas e a ofender o casal. Ela chegou a dizer que o vizinho era "um preto de alma preta", de acordo com a investigação.

 

 

A mulher foi presa em flagrante após acusar a família vizinha de roubar água. Ela deve responder pelos crimes de injúria preconceituosa e perseguição (stalking). Somadas, as penas chegam a cinco anos de prisão. A suspeita foi levada para a carceragem da Polícia Civil, onde ficará à disposição da Justiça.

Mulher chegou a jogar fezes dentro da piscina da moradora (Foto: Divulgação)

Com informações do G1


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.