Policial militar deixa hospital dois meses após ser baleado em assalto em Criciúma

Soldado de 32 anos seguirá com tratamento médico em casa, informou a PM

Por Oeste Mais

06/02/2021 09h39



Soldado da PM, Jeferson Luiz Esmeraldino, ficou ferido durante assalto em Criciúma (Foto: Redes Sociais)

Mais de dois meses após ser ferido com tiros durante um assalto a uma agência bancária em Criciúma, no Sul de Santa Catarina, o policial militar Jeferson Luiz Esmeraldino deixou o hospital. A informação foi divulgada na noite desta sexta-feira, dia 5, pela Polícia Militar.

 

Foram presos pelo menos 14 suspeitos de envolvimento na ação, iniciada por volta das 23h50 do dia 30 de novembro. Contudo, não foram divulgadas identidades ou as circunstâncias das prisões com o objetivo de não atrapalhar a investigação, que segue em andamento. Poucos mais de R$ 1 milhão foram recuperados.

 

Segundo reportagem publicada pelo G1, o soldado de 32 anos deve continuar recebendo cuidados médicos em casa. "Seguirá o tratamento sob os cuidados de uma equipe médica especializada em atendimento domiciliar, e acompanhado de seus familiares", informou em nota o coronel Evandro Fraga, responsável pela 6º Região da PM.

 

Há um mês, Esmeraldino tinha saído da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do hospital de Criciúma e seguia com aparelho de ventilação. Ele recebeu alta hospitalar na tarde desta sexta. A polícia não detalhou o quadro de saúde do policial.

 

Cerca de 30 pessoas assaltaram a tesouraria regional do Banco do Brasil em Criciúma. A ação durou 1 hora e 45 minutos. Pessoas foram feitas reféns. As autoridades de Santa Catarina afirmam que este foi o maior assalto da história do estado. Os criminosos queimaram um caminhão, atiraram para o alto com armas pesadas e fugiram levando R$ 80 milhões.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.