Sete suspeitos de envolvimento em assalto em Criciúma estão presos

Acusados foram detidos em Santa Catarina, Rio Grande do Sul e São Paulo

Por Oeste Mais

03/12/2020 10h14 - Atualizado em 03/12/2020 10h14



Sete pessoas já foram presas (Foto: Guilherme Hahn/Ishoot/Estadão Conteúdo)

Sete suspeitos de participação no assalto a uma agência bancária em Criciúma foram presos até a manhã desta quinta-feira, dia 3. O crime ocorreu na noite da última segunda-feira, dia 30. Os acusados foram presos em Santa Catarina, Rio Grande do Sul e São Paulo.

 

Cinco deles foram presos entre a tarde e a noite desta quarta-feira, dia 2. Após diligências da polícia no litoral sul catarinense, três foram detidos perto da cidade de Torres, na divisa com o Rio Grande do Sul. Outros dois suspeitos foram presos em São Leopoldo (RS), a cerca de 35 quilômetros de Porto Alegre.

 

Na madrugada desta quinta-feira, dia 3, equipes do Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais) encontraram o local supostamente utilizado como transição para a fuga da quadrilha. Além de encontrarem um acionador para explosivos, um veículo e roupas com sangue, os policiais também prenderam um homem que estava na residência.

 

Houve ainda  a prisão de uma mulher suspeita da participação no crime em Criciúma, também na quarta-feira, dia 2. Ela estava em São Paulo, no Jardim Reimberg, zona sul da capital, e foi presa por tráfico de drogas e posse ilegal de armas de fogo.

 

No local onde prenderam a mulher, os policiais civis encontraram uma grande quantidade de cartuchos de fuzil calibre 7,62 mm, dois carregadores de pistola calibre 9mm, seis tijolos de cocaína, dez telefones celulares, uma caixa contendo espoletas de acionamento de explosivos, um saco de tecido, conhecido por "saco de campanha",  duas bolsas de viagem e uma bolsa de viagem aparentando ser um porta-fuzil.

Com informações do R7


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.