Recém-nascida é encontrada por catador dentro de lixeira em Balneário Camboriú

Bebê foi achada em uma caixa de sapato. Na manhã deste domingo, ela permanecia na UTI neonatal em situação estável

Por Oeste Mais

29/11/2020 16h02



Prematura, a criança nasceu de aproximadamente 28 semanas, segundo socorristas do Samu (Foto: Samu)

Uma recém-nascida foi encontrada dentro de uma caixa de sapato deixada em uma lixeira de um prédio em Balneário Camboriú, no Litoral Norte de Santa Catarina, na tarde de sábado, dia 28. Um catador de materiais recicláveis ligou para o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) por volta das 15 horas, quando percebeu que a menina se mexia entre o lixo.

 

Prematura, a criança nasceu de uma gestação de aproximadamente 28 semanas. Ela foi colocada dentro da caixa, na posição de bruços e coberta por um pano. Quando encontrada, respirava com dificuldades e ainda estava com sangue pelo corpo, provavelmente, por conta do parto.

 

Segundo Ari Dornelles, um dos socorristas que atendeu a menina, a suspeita é que o nascimento tenha ocorrido poucas horas antes de ela ter sido encontrada. O técnico de enfermagem Fábio Ristoff também auxiliou no trabalho.

 

"Temos muito que agradecer esse senhor que salvou a vida da menina, esse senhor que é catador de reciclado, porque se ele não abre a lixeira ali, quando que a gente ia saber que a criança iria estar ali. Ia encontrar a criança sem vida", contou Dornelles.

 

No local, os socorristas intubaram, aqueceram a menina e a encaminharam ao Hospital Ruth Cardoso, na própria cidade. Segundo o Samu, na manhã deste domingo, dia 29, ela permanecia internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) neonatal, com o quadro de saúde considerado estável.

 

"Essa criança é uma guerreira, porque a gente não sabe qual tempo que ela ficou ali. Um trabalho de parto dentro de uma UTI já é complicado, imagina uma criança ficar ali um tempo que a gente não sabe", disse Dornelles, que trabalha há dez anos no setor.

 

A Polícia Civil foi acionada, foi até o local e analisou as câmeras de monitoramento. Segundo Giancarlo Rossini, delegado regional, as imagens já mostraram suspeitos. O caso será investigado pela Delegacia de Proteção à Criança, ao Adolescente, à Mulher e Idoso (Dpcami) e segue em sigilo, por se tratar de um recém-nascido.

Com informações do G1


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.