Homem é preso suspeito de matar filha de apenas três meses

Pais acionaram Samu dizendo que criança teria se engasgado, mas exame do IGP aponta traumatismo craniano

Por Oeste Mais

01/10/2020 09h47 - Atualizado em 01/10/2020 09h47



Um homem foi preso em flagrante por suspeita de matar a própria filha, de apenas três meses, em Florianópolis. De acordo com a Polícia Civil, um exame do Instituto Geral de Perícia (IGP) apontou que a bebê morreu por traumatismo craniano. A participação da mãe é investigada pelas autoridades.

 

Os pais acionaram o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) na sexta-feira, dia 25, no Bairro Barra da Lagoa, dizendo que a criança teria se engasgado. O homem alegou que a criança se afogou com leite.

 

Porém, após o exame do IGP, a mãe teria relatado que o marido se irritou e bateu com a criança na parede por não conseguir colocar a menina para dormir. A mulher solicitou medida protetiva após o relato.

 

Conforme a polícia, após serem acionados, os socorristas do Samu verificaram que a bebê apresentava sinais de maus-tratos e acionaram a 10ª Delegacia de Polícia da Capital. Não foi detalhado se a criança já estava sem vida quando os socorristas chegaram na residência.

 

Além dos pais, havia também uma criança de sete anos no local. Ela deve ser ouvida em depoimento especial por um psicólogo.

 

De acordo com a Polícia Civil, a mãe disse ainda que o marido já estava cometendo maus-tratos, brincadeiras violentas, agressivas e que a criança apresentava marcas roxas de maneira recorrente. Ela teria afirmado, segundo a polícia, que não tomou providência antes porque foi ameaçada.

 

Inicialmente, o caso foi registrado como lesão corporal seguida de morte mediante violência doméstica. Após a investigação, o crime foi classificado como feminicídio pelo fato de ser uma menina e do pai ter assumido o risco de matar, conforme informado pela polícia.

Com informações do G1


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.