Operação realizada em SC e outros três estados prende grupo suspeito de usar carga de grãos para transportar drogas

Segundo o MPSC, droga era trazida do MS e tinha como destino os estados catarinense e gaúcho

Por Oeste Mais

19/02/2020 10h07 - Atualizado em 17/04/2020 14h39



O Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco) realizou uma operação na terça-feira, dia 18, em sete cidades do Oeste catarinense, no Paraná, Mato Grosso do Sul e Mato Grosso. A ação buscou desarticular uma organização criminosa que utilizava cargas de grãos para transportar maconha e outras drogas e prendeu 14 pessoas.

 

Cinco pessoas foram presas, por meio de mandados de prisão preventiva, outras nove em prisão temporária e 21 mandados de buscas e apreensão foram cumpridos em São Miguel do Oeste, Descanso, Campos Novos, Catanduvas, Cunha Porã, Joaçaba e Rio do Campo. Ordens judiciais também foram cumpridas nos outros estados.

 

De acordo com Ministério Público Santa Catarina (MPSC), a droga era trazida do Mato Grosso do Sul e tinha como destino Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Operação aconteceu em sete cidades do Oeste (Foto: PRF)

Foram apreendidas ao longo da investigação aproximadamente 1,5 toneladas de maconha, avaliadas pelos agentes em R$ 1,5 milhão. Também foram localizadas armas, haxixe, munições e bens avaliados em R$ 893 mil, segundo o MPSC.

 

A operação, denominada "Peito de Aço", faz parte de uma investigação que apura os crimes de tráfico de drogas, associação para o tráfico, associação criminosa, porte ilegal de armas e munições e lavagem de dinheiro.

 

A ação contou com o auxílio do Gaeco do Paraná, Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, de Departamentos Prisionais do Paraná e Mato Grosso do Sul, das Polícias Militar, Civil, Rodoviárias Estadual e Federal de Santa Catarina, Paraná e da Polícia Rodoviária Federal do Mato Grosso do Sul, além do Instituto Geral de Perícias (IGP).

Com informações do G1


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.