Torcidas organizadas do Avaí e Figueirense são alvo de operação da Polícia Civil

Ao todo, 20 pessoas sãos investigadas pelos crimes de dano ao patrimônio público, vandalismo, ameaça, lesão corporal, entre outros

Por Oeste Mais

04/11/2019 17h07 - Atualizado em 17/04/2020 14h39



A Polícia Civil de Santa Catarina deflagrou nesta segunda-feira, dia 4, a Operação Hooligan, que investiga atos de violência e vandalismo cometidos por integrantes de torcidas organizadas dos times Avaí e Figueirense, ambos de Florianópolis.

 

Foram cumpridos 11 mandados de busca e apreensão nas sedes e também nas casas de membros das duas principais organizadas dos clubes. Um homem foi preso em flagrante por posse ilegal de arma de fogo.

 

Agora, os delegados Ronaldo Moretto, da Central de Investigação do Leste e Sul, e André Marafiga, da Central de Investigação do Continente, irão analisar o material apreendido, que inclui aparelhos celulares e outros materiais eletrônicos, antes de concluir os inquéritos. Ao todo, 20 pessoas sãos alvos de investigação pelos crimes de dano ao patrimônio público, vandalismo, ameaça, lesão corporal, entre outros.

 

 

Arma apreendida com torcedor de organizada foi encaminhada para a delegacia (Foto: Polícia Civil)

Arma apreendida

 

Na sede de uma das torcidas organizadas investigadas, no bairro Estreito, a polícia apreendeu uma pistola calibre 380. O homem que estava de posse do armamento foi preso em flagrante. A Polícia não descarta que, após a análise do material apreendido, outras pessoas passem a ser alvo da investigação, além da possibilidade que novos crimes passem a ser investigados.

Material coletado em sede de torcida organizada do Avaí será avaliado pela polícia (Foto: Polícia Civil)

Proibição em comparecer a jogos

 

Antes da deflagração da operação, a Justiça autorizou algumas medidas cautelares contra os investigados, entre elas a proibição de comparecerem aos jogos do Avaí e Figueirense. Esse afastamento determinado pela Justiça não tem prazo para acabar.

 

"Todo dia de jogo, esses indivíduos terão de se apresentar uma hora antes das partidas na Casa do Albergado, e de lá só serão liberados uma hora depois. Nesse intervalo, não poderão ter acesso a nenhum tipo de equipamento eletrônico", explica o delegado Moretto.

Com informações do G1


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.