Foragido da Justiça de SC estava entre os falsos desaparecidos da tragédia de Brumadinho

Polícia Civil de Minas Gerais já pediu a retirada de 17 nomes da lista de desaparecidos

08/04/2019 09h38 - Atualizado em 17/04/2020 14h39



Desde o dia 25 de janeiro, quando uma barragem da Vale se rompeu na mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG), a Polícia Civil de Minas Gerais já pediu a retirada de 17 nomes da lista de desaparecidos. A tragédia deixou 224 mortos, até o momento.

 

Três destes nomes foram retirados da lista na última sexta-feira, dia 5. No final de semana, os desaparecidos passaram de 75 para 69. Mais três mortos foram identificados.

 

Segundo a Polícia Civil, dos 17 nomes retirados, 11 tinham erros de grafia, estavam duplicados ou eram de pessoas que estavam vivas e não tinham comunicado as autoridades. Seis foram por estelionato.

Lama da Vale em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (Foto: Ibama/Divulgação)

Em um dos casos identificados, um homem vindo de São Paulo alegava ter perdido o irmão na tragédia. Ele chegou a ter DNA coletado para ajudar na identificação do corpo, conseguiu passagens, hospedagem e alimentação custeados pela Vale e estava prestes a encaminhar um requerimento para pedir o pagamento de R$ 100 mil feito às famílias que perderam parentes na tragédia.

 

O irmão dele, porém, foi localizado trabalhando como vendedor ambulante em Praia Grande (no litoral paulista). A polícia descobriu ainda que o falso desaparecido era foragido da Justiça de Santa Catarina, onde tinha um mandado de prisão aberto por homicídio. Os dois irmãos foram presos.

 

Em outro caso, uma mulher registrou o irmão morto desde 2010 como uma das vítimas. A polícia abriu inquérito por tentativa de estelionato.

 

“As pessoas que foram presas em flagrante delito nessas tentativas de fraude são pessoas de outros estados. Pessoas que tiveram passagens aéreas, hospedagem, alimentação, tudo financiado pela Vale. Vieram de longe para cometer a fraude”, afirma a delegada Ana Paula Gontigo, titular em Brumadinho e que investiga os nomes nas listas de desaparecidos.

 

Quase 70 dias depois do desastre, com a lista diminuindo, a polícia pretende investir mais no trabalho de investigação sobre cada um dos desaparecidos. Entre os 69 nomes, há 18 pessoas cujos familiares ainda não compareceram ao Instituto Médico Legal (IML), em Belo Horizonte, para fazer a coleta de DNA para a identificação das vítimas.

 

“O trabalho da Polícia Civil ajuda com o trabalho dos bombeiros, porque esse número de pessoas que ainda faltam ser encontradas influencia diretamente na logística e no planejamento da execução de atividades deles nas buscas”, diz a delegada.

Da Folha Press


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.