Prefeito e secretário de Nova Erechim são indiciados por uso indevido de dinheiro público

Segundo a Polícia Civil, gestor pediu propina mais de uma vez para empresa vencedora de licitação

14/12/2018 08h12 - Atualizado em 17/04/2020 14h39



Delegacia de Nova Erechim (Foto: Polícia Civil)

A Polícia Civil indiciou o prefeito de Nova Erechim, Nédio Antônio Cassol (MDB), por corrupção passiva. Ele é suspeito de ter pedido, por mais de uma vez, propina para manter boa relação com a empresa vencedora de uma licitação municipal.

 

Além do prefeito, foi indiciado o secretário de Obras e Serviços Públicos, Valdecir Solivo, pelo crime de responsabilidade fiscal. Os indiciados não foram encontrados para os contrapontos.

 

O inquérito policial foi encaminhado ao Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) por se tratar de um indiciamento envolvendo um prefeito, nesta quinta-feira, dia 13, pela delegacia do município do Oeste de Santa Catarina.

 

Investigação

 

Os fatos teriam ocorrido desde o final de 2016 até agora. O delegado responsável pelo caso, Arthur Lopes, informou que a investigação durou três meses e começou após denúncias.

 

Conforme as investigações, o empresário negou o pedido de propina e o prefeito passou a boicotar a empresa, deixando de encaminhar para ela os serviços licitados.

 

Por meio da Secretaria de Obras, os serviços de manutenção de caminhões e tratores do município foram repassados para outras empresas da região.

Do G1/SC


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.