Precisamos conversar sobre nossa história e nossos hábitos

Por Samara dos Santos

09/10/2019 13:46



Olá meu bem, tudo bem?

 

Passei esses dias pensando muito sobre qual assunto gastronômico eu falaria para abrirmos nossa conversa. Não foi fácil, mas como qualquer conversa, precisamos começar do básico.

 

Para entendermos como lidamos com a alimentação hoje, precisamos voltar laaaaá atrás quando os seres humanos ainda não haviam formado a civilização. Quando nômades nos alimentávamos de maneira aleatória e, conforme a necessidade vinha, do que havia disponível naquele local e naquele exato momento. Quando descobrimos a agricultura tivemos a possibilidade de nos estabelecermos em um local fixo e demos o primeiro passo para criarmos a sociedade em que vivemos hoje.

 

Foram muitos eventos históricos que interferiram na forma como nos alimentamos, desde o início do escambo, onde as pessoas trocam o que produzem pelos produtos de outras pessoas até os dias de hoje, mas se eu pudesse escolher qual foi o que mais interferiu eu diria que as duas grandes guerras foram essenciais.

 

A Primeira e Segunda Guerras Mundiais trouxeram uma corrida intensa por tecnologias para demonstração de força e ataques. Agora você deve estar pensando “Nossa Samara, você é muito louca de querer me dizer que a corrida armamentista tem relação com a indústria alimentícia”. Pois é meu bem, tem e MUITA! Me acompanha aqui! Os soldados iam para a guerra, certo? Certo! Para a batalha e eles precisavam comer, certo? Certo! Então, você acha que eles estavam armados e invadindo territórios e as pessoas que estavam sendo invadidas cediam comida fácil assim para eles? Arrisco dizer que poderia ter um ou outro, mas a maioria não, né?! Pois então, como você faz para uma comida durar por tempo indeterminado durante a guerra sem geladeira e sem estrutura nenhuma? Tecnologia!

E você, cozinha sem temperos industrializados? (Foto: Pixabay)

Os métodos de produção da indústria são aprimorados a cada dia que passa, só que isso também é sinônimo de menos consumo de alimentos de verdade. Hoje, a parcela da população brasileira que cozinha é muito menor do que há 20 anos atrás, e para você jovem que acha que 20 anos é muito tempo, preciso te contar que historicamente 20 anos foi ontem!

 

O excesso de conservantes químicos e ingredientes que não conseguimos nem falar são perigosos, porque sua maioria não tem muitos estudos sobre o que podem causar em longo prazo na saúde do ser humano. Você sabia que no Brasil é obrigatório por lei que nos rótulos tenham todos os ingredientes por ordem de quantidade?

 

Todos os dias nós corremos de um lado pro outro, cheios de compromissos e nos esquecemos do prazer que é o encontro com a cozinha e com o alimento. Já não sabemos mais qual o sabor as coisas têm sem o temperinho da indústria. Perdemos o prazer em comer todos os dias e nos alimentamos diariamente por obrigação de nos manter em pé. A indústria se aproveita dessa brecha e vende para você uma comida “com tempero caseiro”, mas nunca é igual à comida que a sua avó faz todo domingo vai?!

 

Experimente da próxima vez que você for ao mercado observar o rótulo dos produtos que você compra diariamente e me diz aqui nos comentários se ele tem algum ingrediente que você nunca ouviu falar! Aproveita e me conta também o que te faz ir para a cozinha hoje em dia. Ou quem né?! Hihi.

Conta para mim aqui nos comentários o que ou quem te motiva a ir para a cozinha (Foto: Arquivo Pessoal)

Samara dos Santos

Colunista

26 anos e carioca. Gastrônoma de formação, mas confeiteira por amor. Trabalhou em vários eventos de confeitaria pelo país e com chefs internacionalmente reconhecidos. Está aqui para falar de gastronomia e alimentação de forma simples e descomplicada.

sahmrsantos@gmail.com


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.