A consciência de Deus


Por Jaime Folle

16/08/2021 18h41



Quando Deus fez o mundo, proveu tudo com muito cuidado para a sua principal obra da criação, um homem e uma mulher. Deus concedeu tudo ao primeiro casal o que tinha de bom e do melhor no paraíso chamado de terra, com isso, eles nada precisava fazer, pois tudo estava a seu alcance e previsto segundo a obra divina. Porém, Deus colocou apenas uma regra, a qual o casal primata deveria cumprir, que era não tocar na árvore dos frutos proibidos.

 

O não cumprimento da única regra, fez com que o casal primata perdesse todos os privilégios do paraíso e daí surgiu um segundo momento da criação divina, onde a paternidade protetora e a plena vida de felicidade sofreriam algumas alterações em seu percurso criador. Eles poderiam continuar com a posse da terra, porém perderiam os privilégios e o protecionismo de ganhar tudo pronto, teriam que trabalhar com o suor de seus rostos, para sustentar a sobrevivência na terra e ainda estar preparado em harmonia para a salvação no céu.

 

Quanto aos demais seres criados por Deus, ele proveu seus alimentos, porém, não os colocou na sua frente ou em seus ninhos. Teriam que buscar, todos os dias, com sacrifício para a manutenção de sua espécie. Para o casal primata, não foi diferente, deveriam partir em busca da sobrevivência, com suas próprias forças e vontade de agir para conseguir a manutenção e a sobrevivência na terra. Porém não lhes tirou o direito à liberdade dizendo: “vão! Trabalhem e multipliquem-se, o mundo lhes pertence, inclusive o domínio sobre todos os demais animais da terra.”

 

A consciência de Deus é de uma generosidade infinita. Ele possibilitou tudo isso para os homens e mesmo com todos os nossos erros e traições ele nos perdoa pelos erros que cometemos, tantas quantas vezes forem necessárias, se assim desejarmos. Além de tudo, deu-nos a sua imagem e semelhança, alma e sentimento e, consequentemente, deu-nos o amor, para que curtíssemos este mundo tão maravilhoso chamado terra.

 

Que pena que nós humanos não tenhamos a mesma consciência das coisas do Deus assim como Ele tem conosco. Se tivéssemos, com certeza, este mundo seria uma maravilha, sem maldade, sem guerra, sem ódio, sem roubo, sem assalto, sem ganância, sem traição, sem maldição, sem ciúme, sem inveja, sem fofocas. Estaríamos em perfeita harmonia com a natureza. Que maravilha seria! Mas a ganância entristeceu sua criação e por isso hoje sofremos as consequências desta desobediência.

 

Imagine um mundo com paz, com amor, com partilha, com segurança, com ajuda mútua, com verdades, com amor pleno.

 

Tudo seria muito mais fácil se seguíssemos a consciência de Deus e aquilo que Ele nos pede.

 

Até a próxima!

Jaime Folle

Formado em empreendedorismo, é um dos mais renomados palestrantes do Sul do Brasil. Está na área desde 2005. É também escritor de vários livros.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.