Nosso ponto cego


Por Jaime Folle

20/06/2021 09h18 - Atualizado em 20/06/2021 09h18



A paixão é um sentimento que pode nos levar para a desobediência do racional, podendo jogar no lixo uma vida inteira construída com zelo e amor por causa do nosso ponto cego. Não me refiro somente aos defeitos e falhas que cometemos pela cegueira, mas também aos nossos talentos que, muitas vezes, se perdem em meio a esta cegueira.

 

Nosso cérebro está dividido em quatro pontos distintos, e um deles é o ponto cego, onde praticamos os atos despercebidos pelo nosso consciente, mas que os outros podem ver.

 

É difícil um fofoqueiro admitir que faça fofoca de alguém.

 

É difícil alguém que critica o tempo todo, admitir ser crítico.

 

É difícil ver um lamentador admitir seus lamentos.

 

Repreendemos nosso semelhante por suas faltas leves e nos descuidamos dos nossos maiores erros. Como é difícil enxergar o eu escondido e a pouca luz que temos para clarear nosso lado cego, que por vezes é tão prejudicial aos outros sem que percebemos estes malefícios.

 

Para poder fugir da impiedosa cegueira interior, devemos nos despojar de alguns preconceitos básicos do apego a determinadas coisas que nos impedem de amar coletivamente. A vida se apresenta como uma porta que se abre a cada amanhecer e é esta sensação de vida que faz o ser humano renovar-se a cada dia e tornar-se mais jovem do que nunca, mas tudo isso pode ser negado pela própria cegueira de não perceber o que está acontecendo.

 

Na verdade, começamos a juventude achando que tudo pode estar ao nosso alcance e ser possível de dominar, só que muitos dominados pela cegueira não aprendem admitir os erros e ficam pensando no fim e não nos meios da glória em cada idade.

 

A pior cegueira do homem moderno é não admitir a presença de um criador; à miúde, procedemos mal quando pensamos assim e quando satirizamos os dons sagrados do Criador em benefício próprio, e assim muitos se ocupam demais consigo mesmo, sem lembrar que, ao seu redor, muitos estão precisando um pouquinho de sua inteligente atenção.

 

A maior parte dos atributos de uma pessoa feliz e de sucesso está nas atitudes mentais que possui em benefício do próximo, ajudar sempre alguém, independente de quem seja ou é.

 

A cegueira também nos impede de ver as maravilhas que começam próximas da gente, dentro das nossas casas, que são a nossa família, bens preciosos e de pouco brilho por muitos filhos e pais.

 

Até a próxima!

Jaime Folle

Formado em empreendedorismo, é um dos mais renomados palestrantes do Sul do Brasil. Está na área desde 2005. É também escritor de vários livros.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.