Pessoas que ferem e pessoas que curam


Por Jaime Folle

18/12/2020 10h03 - Atualizado em 18/12/2020 10h03



Esta semana estava fazendo algumas leituras nos sites e redes sociais, e em um deles, especialmente o da “Ieda Almeida”, vi esta mensagem sobre as pessoas que ferem e as pessoas que curam. Gostei da comparação que resolvi me autorizar a escrever algo sobre tudo o que estamos passando e vivendo neste ano de 2020.

 

Diante deste tema, eu acredito que você irá naturalmente citar alguns casos e algumas pessoas, tanto curadoras, como ofensoras. Imagine alguém que está sempre sorrindo e que tem sempre uma fala positiva, que sempre elogia, que tem um abraço gostoso. Quem veio a sua lembrança? E agora, imagine alguém rabugento, que adora ferir os outros e jogar um balde de água fria na empolgação das pessoas. Lembrou de alguém? Não tem como passarmos pela vida sem nos depararmos com esses dois perfis de pessoa.

 

As pessoas amargas que ferem, sentem-se fortemente recompensadas quando percebem que machucaram alguém. Parece que a alegria delas é nutrida pelo desgosto do outro. Quer acabar com o dia de uma pessoa amargurada, compartilhe uma alegria sua com ela! É como se a alegria do outro fosse um espinho na alma dela. São pessoas com as quais, se pudéssemos, evitaríamos qualquer contato. E quando estamos fragilizados, essas pessoas causam um verdadeiro estrago no nosso emocional, agindo como verdadeiros vampiros, parece que elas captam a nossa vulnerabilidade e fazem a festa. Se você emagreceu e está feliz, ela vai fazer questão de te dizer que você ficou com cara de doente e que estava melhor quando estava gorda. Se você foi aprovado em um concurso público, ela vai te dizer que ouviu dizer que o concurso teve fraude e que vai ser anulado. Enfim, ela vai ter sempre um problema para cada solução.

 

Em contrapartida, existem aquelas pessoas que são puro bálsamo para a alma, são um verdadeiro sol mesmo nos dias nublados das nossas vidas. Estas são as pessoas que curam. Pessoas que nos estendem a mão, que nos encorajam, que nos trazem à memória o que temos de bom e o que deu certo em nossas vidas. São verdadeiras bússolas divinas que nos norteiam quando estamos desorientados, nos carregando de bons exemplos. Como é bom conversar com pessoas de alto astral, ou ao menos que não puxam o lado negativo das coisas.

 

Façamos uma reflexão esta semana, para já ir pensando na mudança de pessoa que fere para uma pessoa que cura. Obrigado, Ieda, por me permitir “roubar” um pouco das suas brilhantes ideias.

 

Até a próxima!

Jaime Folle

Formado em empreendedorismo, é um dos mais renomados palestrantes do Sul do Brasil. Está na área desde 2005. É também escritor de vários livros.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.