‘Gastamos a vida para ganhar dinheiro, depois, o dinheiro para ganhar vida’


Por Jaime Folle

04/12/2020 11h26 - Atualizado em 04/12/2020 11h26



Até os cinquenta anos, gastamos a vida para ganhar dinheiro; depois dos cinquenta anos, gastamos o dinheiro para ganhar de volta a vida”.

 

Esta frase reflete a forma como vivemos a vida, onde passamos a maior parte de nossa juventude e o período mais lindo de nossa fase adulta, maçante nas fobias das metas e dos resultados. A fortuna, quando flagela o homem, corta-lhe todas as bases de cuidado com a própria vida.

 

Por que ficamos doentes?

Por que nosso corpo falha?

Quantas dores físicas estão relacionadas às dores da alma?

 

Este estado de sofrimento só vai acontecer pelas fobias desenfreadas de não nos cuidarmos no período mais enérgico de nossas vidas, onde muitos esquecem de cuidar-se e gastam parte de sua vida para acumular dinheiro; e muitos desavisados vão ter que gastar o dinheiro para retornar a saúde perdida.

 

Parece-me fora de cogitação que alguém faça isso em alguma época, antes dos cinquenta anos. Trabalhar em completa harmonia com o corpo e a alma e obter os resultados financeiros preocupando-se com a saúde física e mental. Estou convencido de que o ser humano não muda no amor, só muda na dor, precisa sentir na própria pele a necessidade de mudança, razões pelas quais o corpo padece quando a alma dá o sinal de que não aguenta mais. Poucos recorrem a uma igreja quando estão bem financeiramente e têm saúde, porém, basta um sinal de crise que o templo passa a ser visita obrigatória. Muitos morrem sem ter, de fato, vivido, e isso significa, em última análise, não ter se organizado para tal.

 

Se fôssemos fazer uma reflexão e retornar alguns anos em nossa vida, quanta coisa mudaria ou faria diferente. Uma das bases mais sólidas do equilíbrio no ser humano é ser amado, e quem, de fato, ama e se cuida com harmonia, poderá também ganhar dinheiro sem ter que gastá-lo para repor a saúde. Esta é uma noção importante, porque mostra o tremendo malefício que as tensões internas do dia a dia – basicamente, o sofrimento do desprazer no trabalho – podem causar à saúde e à vida. E por outro lado, o grande benefício do prazer, incluindo-se aí, principalmente, as relações de amor pelo trabalho e a convivência na família após o trabalho.

 

A mente governa o nosso corpo, embora as pessoas não prestem atenção a isso, quando um desequilíbrio complica a vida, e é justamente a luta encarniçada que trava até os cinquenta anos, para ter sucesso e dinheiro, esquecendo-se de ganhar junto a vida futura.

 

Com isso, não quero ser mal-entendido. Dá para ganhar dinheiro e vida juntos, basta organização e planejamento. Lembre-se que os anos passam e depois pode ser tarde para retornar a flecha lançada.

 

Até a próxima!

Jaime Folle

Formado em empreendedorismo, é um dos mais renomados palestrantes do Sul do Brasil. Está na área desde 2005. É também escritor de vários livros.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.