Quando dez falam, nove são dispensáveis


Por Jaime Folle

02/10/2020 10h33



“Quando dez falam a mesma coisa, nove são dispensáveis”. Como é difícil conviver em sociedade tendo que se sujeitar a aceitar as pessoas com as mesmas ideias e opiniões, falando a mesma coisa sem inovação e criatividade.

 

Quer eu goste ou não, preciso estar no meio delas, ouvi-las e aceitar suas formas de ser, sendo que muitos repetem praticamente as mesas coisas, o tempo todo, com pouca produtividade e muitos destes estão no poder.

 

Estamos vivendo uma pobreza tão grande de vocabulário, criatividade e inovação que pouco se aproveita das reuniões e trabalhos em grupo. Eu pessoalmente acredito que deve haver um equilíbrio entre o “ouvir e falar”, porque muitas pessoas interpretam isso de forma errada, ficam “mudos”, ficam “calados”, perdendo talvez com isso a oportunidade de realizar grandes contribuições para o desenvolvimento de vários projetos. Na realidade deve-se saber quando, o que e onde falar, esse sim é o grande segredo. A questão é a falta de vocabulário, criatividade e inovação naquilo que falam. Por isso a citação acima: “Quando dez falam a mesma coisa, nove são dispensáveis”. Basta ver o que se criou e se inovou nos últimos anos aí na sua comunidade!

 

Uma vida leve, é uma vida com menos estresse e mais momentos alegres, menos preocupações e mais otimismo, menos pressa e mais dedicação, menos vergonha e mais bom humor, menos cansaço e mais vontade de viver, menos repetição e mais inovação.

 

Se assim o fosse, aproveitaríamos mais as potencialidades de cada um.  Nós, seres humanos, somos educados, somos incentivados e até obrigados a falar desde o primeiro momento, desde o dia em que nascemos. Basta lembrarmos de nossos pais, ou de nós mesmos com nossos filhos, todos os dias ansiosos, esperando ouvi-los falar a primeira palavra.

 

Quando falamos em “ouvir mais e falar menos” estamos falando sobre aproveitar o conhecimento dos outros, ter mais leveza na fala e mais agressão nos ouvidos. Mas confesso que tenho muita dificuldade em participar de reuniões, onde se aproveita pouco dos participantes em termos de conduta, pois as pessoas discutem mais as opiniões do que os fatos, e isso ao fim da reunião não soma nada, vivem em um verdadeiro quadrado mental.

 

Existem algumas escolhas que você pode fazer agora mesmo para começar a viver com mais leveza, otimismo, tranquilidade e bom humor, compreendendo as diferenças que temos uns com os outros, porém está difícil exercitar o hábito de ouvir em uma geração tão pobre de vocabulário, onde a inovação é mais lenta do que uma tartaruga e a pobreza de criação é mais lenta do que uma lesma.

 

Até a próxima!

Jaime Folle

Formado em empreendedorismo, é um dos mais renomados palestrantes do Sul do Brasil. Está na área desde 2005. É também escritor de vários livros.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.