Você sabe o motivo do arroz e o óleo de soja estarem mais caros?


Por Samara dos Santos

30/09/2020 09h18 - Atualizado em 30/09/2020 09h19



Olá meu bem, tudo bem?

 

Hoje eu vim falar de um assunto polêmico. Caso você esteja em outro planeta no último mês tivemos a alta de alguns produtos de nossa cesta básica brasileira como o arroz e o óleo de soja. Muitos apoiadores do atual governo apareceram com discurso de “a conta do fique em casa chegou” e eu vim aqui explicar o porquê desse discurso não ser verdadeiro.

 

Esse ano o Brasil registrou um recorde na safra do arroz com 257,8 milhões de toneladas produzidas e a de soja em 251,7 milhões de toneladas, então como ele está tão caro se produzimos tanto?

 

Antes mesmo da pandemia já víamos o aumento diário da cotação do dólar e a princípio isso era um plano do atual Ministro da Economia, Paulo Guedes. Para a diminuição da dívida interna brasileira, a ideia era permitir a alta do dólar até mais ou menos R$4,50 para que ele pudesse vender parte dos dólares da reserva do país, que foi comprada no governo do PT pela metade desse valor, gerando lucro para o país. Só que muitas coisas podem dar errado e uma delas é a alta descontrolada, que foi o que aconteceu.

 

Com a alta descontrolada do dólar e o interesse do mercado externo em comprar nossas produções, para o produtor, vale mais a pena vender para quem paga mais e nesse caso quem paga mais é quem paga em dólar.

(Fotos: Freepik)

Interessante analisar que nos últimos 20 anos aproximadamente 600 milhões de pessoas entraram para a classe média chinesa, aumentando o consumo de carnes, principalmente de porco, sabe quem come bastante ração a base de soja? Porcos! Sabe quem compra aproximadamente 75% da produção brasileira de soja pra ração animal? A China! Que paga em dólar! As exportações de arroz esse ano aumentaram 73%, nós exportamos para 109 países e 36 países dessa lista aumentaram seu volume de compras do arroz brasileiro. Ou seja, menos produto para ser vendido no Brasil, mais caro na prateleira do mercado.

 

E você deve estar se perguntando o que o governo federal tem com isso né?! Bem, primeiro eu preciso lembrar você que quando falamos de cesta básica falamos de produtos essenciais para a sobrevivência das classes mais pobres, mas a alta dos preços não é diretamente associada a políticas públicas por essa camada. Existem algumas manobras que o governo pode fazer para controlar esses preços e estimular o mercado interno desses produtos, mas uma delas, por exemplo, é a alta dos juros e isso já te fez virar o nariz né?! Pois é, juros altos não reelegem governos.

 

A comida é um patrimônio cultural muito importante e rico, que deve ser protegido. Arroz e feijão é um clássico da comida brasileira e uma coisa que também não reelege governos é a fome. A política interfere diretamente no nosso cotidiano e devemos pensar sobre isso. Qual a consequência das queimadas na Amazônia, Cerrado e Pantanal para a nossa mesa e nosso bolso? Qual a consequência da alta dos produtos da cesta básica em milhares de famílias brasileiras? Será que o governo atual está cumprindo com o discurso de Brasil acima de todos? Será que os brasileiros estão se beneficiando de fato?



Me conta aqui nos comentários o que você achou dessa explicação, se ficou clara ou se restou alguma dúvida. Deixo também meu agradecimento especial ao meu amigo Ricardo Harben, formado em Contabilidade pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e um eterno estudante do mercado financeiro. Muito obrigada!

 

Um beijinho e até semana que vem! ;)

Samara dos Santos

27 anos e carioca. Gastrônoma de formação, mas confeiteira por amor. Trabalhou em vários eventos de confeitaria pelo país e com chefs internacionalmente reconhecidos. Está aqui para falar de gastronomia e alimentação de forma simples e descomplicada.


COMENTÁRIOS

Os comentários neste espaço são de inteira responsabilidade dos leitores e não representam a linha editorial do Oeste Mais. Opiniões impróprias ou ilegais poderão ser excluídas sem aviso prévio.